Calor

Feira promove mel que sofreu quebras na produção em Vila Pouca de Aguiar


 

Lusa/Ao online   Nacional   11 de Ago de 2018, 03:27

A Feira do Mel de Vila Pouca de Aguiar, que decorre entre esta sexta feira e domingo, divulga e promove uma atividade que este ano sofreu uma quebra significativa na produção devido às condições meteorológicas adversas.

A maior parte dos cerca de 100 produtores de mel de Vila Pouca de Aguiar concilia a atividade profissional com a apicultura, que se tornou num complemento à economia familiar deste concelho do distrito de Vila Real.

“O tempo não ajudou”, afirmou à agência Lusa o apicultor João Campos, que possui cerca de 70 colmeias.

Em anos de “produção normal” retira cerca de “uma tonelada e meia”, mas este ano deve “ficar pelos 600 quilos”.

“Basta estar uns dias de mais frio e vem complicar a colheita. O ano começou bem, depois veio o frio, depois o calor excessivo”, salientou.

João Campos disse que a atividade “compensa” apesar das “muitas despesas”, entre ceras, tratamentos e alimentação.

José Teixeira tem 800 colmeias e disse que, na região de Trás-os-Montes, os últimos dois anos “foram muito maus”.

No ano passado foi a seca. Este ano, na fase de floração verificaram-se temperaturas muito baixas no final de abril e princípio de maio e, agora, em agosto, foi o excesso de calor que afetou a atividade.

“Este ano as expectativas saíram-nos goradas. Seria expectável termos 16 toneladas e vamos andar pelas 10, 12”, referiu.

Este apicultor vende para o mercado nacional e exporta para Espanha e Alemanha.

“Estes anos têm sido complicados, principalmente por causa do calor intenso em alturas que não deviam ser assim como a chuva e o vento, que são condições que não são muito propícias para as abelhas conseguirem recolher pólen e néctar”, sublinhou João Oliveira, que se assume como um aficionado pela apicultura.

Possui 20 colmeias e a apicultura é um complemento ao seu rendimento. No entanto, ressalvou que esta é uma atividade “com custos” e que, nos últimos anos, tem sido difícil porque os “custos não compensam os lucros”.

“O mel é pouco, os enxames por vezes morrem e é difícil conseguir manter uma produção estável e fazer um crescimento estável do efetivo”, salientou.

A zona controlada de apicultura, que abrange os concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Ribeira de Pena, possui 179 apicultores e 7.900 colónias e é gerida pela associação Aguiarfloresta.

É para divulgar e promover esta atividade que a Câmara de Vila Pouca de Aguiar realiza a Feira do Mel, na vila de Pedras Salgadas.

O certame divulga ainda o trabalho das dezenas de artesãos locais que trabalham em barro, granito, madeira, ferro e linho.

O certame, que decorre no Parque Termal de Pedras Salgadas, aposta na realização de concursos temáticos como o melhor mel, os melhores rótulos de mel ou os melhores doces confecionados com mel.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.