FDA adverte para perigos de produtos para perder peso

FDA adverte para perigos de produtos para perder peso

 

Lusa/AO Online   Internacional   23 de Dez de 2008, 10:33

 A Agência Norte-Americana para os Medicamentos e Alimentos (FDA) advertiu hoje para os riscos de mais de 25 produtos para perder peso, um dos quais foi recentemente sujeito a ensaios clínicos em Portugal.

  Estes produtos “contêm ingredientes farmacêuticos não declarados que podem pôr em risco a saúde dos consumidores”, revela um comunicado da FDA hoje divulgado, depois de uma investigação que determinou que alguns dos ingredientes contêm substâncias que não são permitidas nos Estados Undios.

    Uma dessas substâncias, por exemplo, foi aprovada para o tratamento de convulsões e não para a perda de peso, enquanto outra se utiliza frequentemente em experiências químicas e está sob suspeita de provocar cancro.

    Outro dos ingredientes, o "Rimonabant", utiliza-se na Europa, mas o seu consumo não foi autorizado nos Estados Unidos, pois foi associado a um maior risco de depressão e pensamentos suicidas, além de estar associado a cinco mortes e 720 reacções adversas na Europa nos últimos anos.

    A comercialização desta substância foi suspensa na Europa em Outubro. Na altura, estavam a realizar-se ensaios clínicos em Portugal com este fármaco, os quais acabaram por ser suspensos.

    De acordo com uma nota da autoridade que regula o sector do medicamento em Portugal, o Infarmed, “o risco de desenvolvimento de distúrbios psiquiátricos em doentes obesos ou com excesso de peso tratados com um medicamento cuja substância activa era o “Rimonabant”, é aproximadamente o dobro, quando comparado com placebo”.

    O medicamento fora aprovado na União Europeia em Junho de 2006, como adjuvante da dieta e exercício para o tratamento de doentes obesos ou com excesso de peso com factores de risco associados.

    O medicamento não se encontra comercializado em Portugal, embora já tenham decorrido ensaios clínicos com o mesmo em vários hospitais.

    A FDA alerta ainda para o facto de “algumas quantidades destes componentes farmacêuticos activos excederem os níveis recomendados pela FDA, pondo por isso em risco a saúde dos consumidores”.

    Estes produtos para a perda de peso, acrescenta o comunicado, são vendidos ao público como “complementos dietéticos” e através da Internet.

    O problema é que alguns destes produtos asseguram nos rótulos que são “naturais” e que só contêm ingredientes à base de ervas, embora na realidade contenham ingredientes potencialmente perigosos que não são divulgados na sua propaganda.

    Alguns dos efeitos da “Sibutramine”, outra das substâncias detectadas nestes produtos, com comercialização autorizada em Portugal deste Março de 2001, são a tensão alta, convulsões, taquicardia, palpitações, ataques cardíacos e derrames.

    Estes produtos também podem interferir con outros medicamentos e potenciar os seus efeitos secundários.

    A FDA acrescentou que não descarta a hipótese de ordenar a retirada do mercado destes produtos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.