Taça de Portugal

FC Porto vence Ovarense e conquista 12º troféu

FC Porto vence Ovarense e conquista 12º troféu

 

Lusa/AO online   Basquetebol   7 de Mar de 2010, 19:51

O FC Porto conquistou hoje a Taça de Portugal de basquetebol pela 12.ª vez, ao derrotar a Ovarense na final por 71-70, no Entroncamento, onde os vareiros cederam o troféu a custo

Um final impróprio para cardíacos, com quatro “triplos” convertidos nos últimos 40 segundos e a Ovarense a ameaçar um triunfo practicamente certo do FC Porto, deu à Taça de Portugal o melhor que o basquetebol consegue oferecer: espectáculo.

João Figueiredo, base do FC Porto, a 1.19 minutos do apito final converteu o segundo “triplo” consecutivo e criava a sensação de que a Taça só poderia levar o rumo da cidade do Porto. Puro engano. Sem baixar os braços, a Ovarense renasceu a 20 segundos do fim pelas mãos do poste norte-americano Shawn Jackson e colocava-se a um ponto dos “portistas”, 70-71.

Mas com apenas um segundo de jogo e dois lances livres a seu favor, o FC Porto acabaria por conquistar a sua 12.ª Taça de Portugal. Os festejos só foram adiados pela longa espera para que o tempo restante fosse recolocado no cronómetro.

Os “dragões” entraram fortíssimo no encontro - abriram com um parcial favorável de 10-0 - deixando a Ovarense sem marcar durante os primeiros cinco minutos da partida.

Frente a frente estiveram as duas equipas mais intensas a defender do campeonato da liga e foi com alguma naturalidade que, no segundo período, ambas tenham optado por explorar mais o jogo exterior. Os nove “triplos” marcados nesse período espelham não só essa opção como também a eficácia nos lançamentos mais longe do cesto.

O FC Porto conseguiu manter a vantagem conquistada nos minutos iniciais da partida e arrancou para a segunda parte com o objetivo de gerir um marcador separado por dez pontos, 31-41.

Mas os jogadores de Mário Leite estavam longe de abdicar da luta e souberam aproveitar dois erros crassos por parte de Moncho López. Primeiro, quando os portistas venciam por 39-46, o técnico espanhol viu assinalada uma falta técnica por protestos, que permitiu à Ovarense reduzir a diferença para 42-46, para pouco depois substituir o base João Figueiredo, castigado com a sua quarta falta pessoal, por Rui Mota.

Ora, Mota, que não é um base de raiz, em dois minutos, conseguiu a proeza de cometer uma falta, fazer dois “turnovers” e falhar um lançamento “triplo”.

Com tudo isto, juntando à vontade imensa dos vareiros defenderem o troféu conquistado a época passada, o FC Porto só marcou oito pontos no terceiro período, deixando tudo em aberto para os momentos finais.

João Figueiredo chamou a si a responsabilidade de atirar ao cesto e com sucesso conseguiu margem de manobra para a sua equipa (61-65). Mas o que parecia certo a pouco mais de um minuto do fim tornou-se incógnita com os “triplos” vareiros, até que, no momento certo, apareceu o “MVP” do encontro, Gregory Stempin - 11 pontos e ressaltos - a responder na mesma moeda.

O resultado final, 70-71, é sintomático do equilíbrio e mostra que qualquer uma das equipas poderia ter levado o a Taça para casa.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.