Fapricela prevê volume de negócios de 100 milhões de euros

Fapricela prevê volume de negócios de 100 milhões de euros

 

Lusa / AO online   Economia   2 de Nov de 2007, 15:38

A empresa Fapricela, que assinala sábado 30 anos de actividade no sector metalúrgico, com uma forte aposta na exportação, prevê que o volume de negócios atinja este ano os 100 milhões de euros.
Pedro Teixeira, administrador do grupo Fapricela, com sede em Ançã, concelho de Cantanhede, disse hoje à agência Lusa que a empresa registou 96 milhões de euros de volume de negócios em 2006.
Cerca de 40 por cento do volume de negócios, em 2006 e 2007, reporta-se à produção de cordão de aço para grandes obras públicas, em Portugal e no estrangeiro, designadamente pontes e viadutos.
A Fapricela - Indústria de Trefilaria, S.A. exporta actualmente para países de diversos continentes, incluindo Cuba, Irão, Marrocos, Argélia, Qatar, Emirados Árabes, mas conta Espanha, Inglaterra, Irlanda e Escócia entre os seus mercadores principais.
"Em Portugal, somos a única empresa a produzir cordão de aço, o nosso produto que viaja mais, para toda a parte do mundo", declarou Pedro Teixeira.
A empresa metalúrgica, que integra o grupo do mesmo nome, com cerca de 500 trabalhadores em diferentes áreas económicas, tem escritórios a funcionar em Madrid (Espanha), Liverpool (Inglaterra) e Havana (Cuba) e planeia abrir uma nova representação em França, em 2008.
Estados Unidos, Alemanha, Finlândia, Noruega, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Chipre, Jordânia e Líbano são outros dos destinos das exportações da fábrica de Ançã, que está nas mãos da família Teixeira desde a sua fundação, em 1977.
A empresa começou por fabricar pregos, sob a liderança da António Teixeira, actual presidente do conselho de administração do grupo, mas evoluiu aos poucos para a produção de outros produtos para a construção civil e obras públicas, como redes elásticas, malha electro-soldada, varetas para travessas do caminho-de-ferro, arame de aço, cordão de aço e, finalmente, a aposta este ano na produção de molas para colchões e estofos.
"Sintetizando os objectivos do grupo Fapricela, a consolidação das competências na inovação e o acréscimo do volume de exportações no seu conjunto (…) são características determinantes que se pretendem para a criação, desenvolvimento e sustentabilidade na indústria onde se insere", refere uma publicação alusiva aos 30 anos de actividade, a apresentar sábado, às 17:00, nas cerimónias comemorativas.
A Fapricela, segundo o administrador Pedro Teixeira, orgulha-se de ser "um dos principais produtores europeus de cordão de aço", a mercadoria hegemónica das exportações.
De tal forma que a empresa, quando iniciou o seu fabrico, em finais dos anos 90, tinha apenas uma linha de produção para o efeito, dispondo actualmente de cinco linhas a laborar 24 horas.
O crescimento da indústria registou um desenvolvimento acentuado "após ter apostado nos chamados produtos de alto carbono" e alta resistência, em especial o arame e o cordão de aço.
"A Fapricela orgulha-se de ser a primeira e única empresa em Portugal a prodzir cordão de sete fios de pré e pós-esforço de baixa relaxação, sendo responsável pelo fornecimento de 80 por cento do consumo nacional, outrora importado na totalidade", salienta a referida publicação.
Este ano, o grupo adquiriu a sociedade Ibermetais, em Freamunde, Paços de Ferreira, que emprega 60 funcionários.
Pedro Teixeira disse que a Ibermetais e a Fabricela trabalharão em associação para "criar um eixo empresarial no sector da indústria da trefilaria que lhe permita reforçar a liderança nacional e uma presença internacional relevante".
O grupo integra mais sete empresas, em áreas tão diversas como a construção, imobiliário, comércio, hotelaria e saúde.
A maioria dos 500 trabalhadores do grupo, cerca de 300, estão adstritos à empresa-mãe com sede no concelho de Cantanhede.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.