Ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori sai de clínica onde estava internado

Ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori sai de clínica onde estava internado

 

Lusa/AO online   Internacional   5 de Jan de 2018, 09:17

O ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori, condenado por crimes contra a humanidade, deixou na quinta-feira à noite, em liberdade, a clínica em Lima para onde tinha sido transferido antes de ser perdoado pelo atual chefe de Estado.

Doze dias depois de ter recebido o perdão presidencial de Pedro Pablo Kuczynski, o o antigo Presidente do Peru (1990-2000), de 79 anos, saiu em liberdade da clínica onde tinha sido internado, com hipotensão e arritmias cardíacas.

Escoltado por polícias e guarda-costas, Fujimori saiu numa cadeira de rodas, na companhia do filho mais novo, Kenji.

Durante o internamento no centro médico, o ex-Presidente foi submetido a uma série de exames e tratamentos para os problemas de saúde que justificaram a concessão do perdão presidencial por motivos humanitários.

Alberto Fujimori, engenheiro de origem japonesa, foi condenado a 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade, por ter ordenado o assassínio de 25 pessoas por um esquadrão da morte durante a guerra contra os guerrilheiros do Sendero Luminoso (extrema-esquerda maoísta).

Cumpriu 12 anos da sentença e a 24 de dezembro último foi perdoado por Kuczynski. A decisão suscitou várias críticas no estrangeiro, demissões no Governo e desencadeou manifestações no país, durante as quais Pedro Pablo Kuczynski foi acusado de ter negociado o perdão em troca da sua manutenção no poder com o apoio do movimento político fundado por Fujimori.

O perdão foi concedido três dias depois de o processo de destituição de Kuczynski ter sido chumbado no parlamento peruano, em parte devido à abstenção de Kenji Fujimori e de nove outros deputados do seu partido, Força Popular.

O processo de destituição do Presidente foi pedido pelos alegados vínculos do Presidente peruano à empresa brasileira Odebrecht, que reconheceu ter feito pagamentos de cerca de cinco milhões de dólares a firmas diretamente ligadas a Kuczynski, na altura ministro (2004-2013).

Na campanha eleitoral de 2016, o Presidente do Peru, de 79 anos, tinha prometido não libertar Fujimori.

Doze dias depois de ter recebido o perdão presidencial de Pedro Pablo Kuczynski, o o antigo Presidente do Peru (1990-2000), de 79 anos, saiu em liberdade da clínica onde tinha sido internado, com hipotensão e arritmias cardíacas.

Escoltado por polícias e guarda-costas, Fujimori saiu numa cadeira de rodas, na companhia do filho mais novo, Kenji.

Durante o internamento no centro médico, o ex-Presidente foi submetido a uma série de exames e tratamentos para os problemas de saúde que justificaram a concessão do perdão presidencial por motivos humanitários.

Alberto Fujimori, engenheiro de origem japonesa, foi condenado a 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade, por ter ordenado o assassínio de 25 pessoas por um esquadrão da morte durante a guerra contra os guerrilheiros do Sendero Luminoso (extrema-esquerda maoísta).

Cumpriu 12 anos da sentença e a 24 de dezembro último foi perdoado por Kuczynski. A decisão suscitou várias críticas no estrangeiro, demissões no Governo e desencadeou manifestações no país, durante as quais Pedro Pablo Kuczynski foi acusado de ter negociado o perdão em troca da sua manutenção no poder com o apoio do movimento político fundado por Fujimori.

O perdão foi concedido três dias depois de o processo de destituição de Kuczynski ter sido chumbado no parlamento peruano, em parte devido à abstenção de Kenji Fujimori e de nove outros deputados do seu partido, Força Popular.

O processo de destituição do Presidente foi pedido pelos alegados vínculos do Presidente peruano à empresa brasileira Odebrecht, que reconheceu ter feito pagamentos de cerca de cinco milhões de dólares a firmas diretamente ligadas a Kuczynski, na altura ministro (2004-2013).

Na campanha eleitoral de 2016, o Presidente do Peru, de 79 anos, tinha prometido não libertar Fujimori.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.