Eleições/EUA

Europeus preferem Barack Obama

Europeus preferem Barack Obama

 

Lusa/AO online   Internacional   10 de Set de 2008, 17:05

O candidato democrata à eleição presidencial dos EUA Barack Obama é o preferido por 69 por cento dos europeus, incluindo Portugal, país onde, simultaneamente, o apoio ao candidato conservador John MCain é mais elevado, revela um inquérito internacional.
O estudo mostra que quase metade dos europeus (47 por cento) acredita que as relações transatlânticas beneficiarão com a vitória do democrata Barack Obama nas eleições presidenciais norte-americanas.

    Em contrapartida, segundo o estudo apoiado pela Fundação Luso-Americana, apenas 11 por cento acredita que as relações entre os Estados Unidos e a Europa vão melhorar, se o vencedor da corrida à Casa Branca for o senador republicano do Arizona, John McCain.

    Para 29 por cento dos sondados neste inquérito da "Transatlantic Trends 2008" realizado nos Estados Unidos e em 12 países europeus, incluindo Portugal, as relações entre os dois continentes permanecem iguais em caso de vitória de Obama e sofrem um agravamento para 5 por cento.

    Já 49 por cento acredita que as relações transatlânticas não sofrem sobressaltos se McCain for eleito, contra 13 por cento que pensa que piorarão.

    Nos 12 países europeus inquiridos, Obama é o preferido na Casa Branca por 69 por cento das pessoas interrogadas, contra 26 por cento para McCain.

    A taxa mais alta de preferência por Obama regista-se em França (85 por cento), seguida pela Holanda (85 por cento) e pela Alemanha (83 por cento), enquanto que a taxa mais alta de preferência pelo senador McCain se regista em Portugal (35 por cento), seguida pela Holanda (33 por cento), Espanha (33 por cento) e Reino Unido (33 por cento).

    Dos europeus que consideram que uma liderança americana nos assuntos mundiais seria "indesejável", 50 por cento acredita que as relações iriam melhorar se o senador do Illinois fosse presidente, contra apenas 10 por cento para McCain.

    Transatlantic Trends 2008, que patrocina o inquérito, é um projecto do German Marshall Fund dos Estados Unidos e da Compagnia di San Paolo em Turim, Itália, que conta com o apoio da Fundação Luso-Americana (Portugal), da Fundación BBVA (Espanha) e da Tipping Point Foundation (Bulgária).

    Pelo sétimo ano consecutivo, este inquérito anual à opinião pública, avalia as opiniões de norte-americanos e europeus sobre as ameaças globais, os objectivos da política externa, a liderança mundial e as instituições multilaterais.

    "Com base em valores comuns e interesses partilhados, o inquérito mostra que americanos e europeus querem relações mais estreitas," refere Craig Kennedy, Presidente do German Marshall Fund of the United States.

    "Seja pelo decorrer dos acontecimentos mundiais, a perspectiva de uma nova administração americana que se desenha no horizonte, ou a insegurança que se faz sentir em várias frentes, o novo Presidente americano terá a oportunidade - não só de melhorar a posição dos Estados Unidos no Mundo - mas de, talvez, poder exigir mais da liderança europeia", assinala Craig Kennedy.

    Por seu lado, o presidente do Conselho Executivo da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimemnto (FLAD), Rui Machete, afirmou à Lusa "não ter ficado surpreendido" com os resultados deste inquérito, de que a FLAD é co-autora na parte portuguesa e financiadora, visto que "apenas em questões menos importantes é que a opinião dos portugueses diverge da média europeia".

    Rui Machete sublinha que o apoio europeu a Barak Obama se deve também ao seu discurso de campanha assente na "mudança" e ao facto deste candidato ter apostado mais nas relações dos EUA com a Europa, tendo efectuado uma viagem à Alemanha.

    O facto de Portugal ser o país onde Jonh MCain obtém maior taxa de apoio é explicado por Rui Manchete com o habitual conservadorismo nacional em relação às questões de política internacional.

    O inquérito foi realizado junto de 1.000 homens e mulheres, com idades superiores a 18 anos. entre 04 e 24 de Junho nos Estados Unidos e em 12 países europeus: Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Países Baixos, Polónia, Portugal, Eslováquia, Espanha, Turquia, Roménia e Bulgária. A margem de erro é de +/- três pontos percentuais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.