Engenheiro alemão raptado há 87 dias foi libertado


 

Lusa / AO online   Internacional   10 de Out de 2007, 15:28

Rudolf Blechschmid, o engenheiro civil alemão que tinha sido sequestrado há 84 dias no Afeganistão, foi hoje libertado, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier.
    "Desde hoje que o cidadão alemão Rudolf Blechschmid está em liberdade, estamos satisfeitos e aliviados", disse o chefe da diplomacia germânica a jornalistas, em Frankfurt.

    Frank-Walter Steinmeier recordou, na mesma ocasião, o trágico destino de outro engenheiro alemão raptado em conjunto com Blechschmid.

    Ruediger D. foi abatido a tiro pelos sequestradores poucos dias após o rapto, depois de ter sequestradores a uma longa caminhada pelas montanhas.

    Steinmeier adiantou ainda que Rudolf Blechschmid já estava sob custódia das forças de segurança afegãs e é aguardado hoje ao fim da tarde na embaixada alemã em Cabul.

    O "site" electrónico Spiegel Online dá conta de um telefonema para Blechschid, em que este garantiu estar "bem, embora muito cansado".

    Os cinco afegãos que foram sequestrados em conjunto com Blechschmid foram também libertados, e em troca as autoridades afegãs libertaram cinco talibãs que estavam na cadeia, adiantaram fontes alemãs.

    Segundo o Spiegel Online, os ex-reclusos eram delinquentes comuns, com ligações esporádicas aos talibãs.

    Outros pormenores das condições de libertação não foram revelados, embora a imprensa tenha falado nas últimas semanas de exigências dos raptores de um resgate na ordem de centenas de milhares de euros.

    Blechschid, 62 anos, foi sequestrado a 18 de Julho, com outro colega alemão e mais quatro afegãos, na província de Wardak, no centro do Afeganistão, 200 quilómetros a sudoeste de Cabul.

    Há semana e meia, o grupo de sequestradores já tinha combinado a libertação de Rudolf Blechschid e prometido entregá-lo à Cruz Vermelha, mas à última hora fugiram de novo com o prisioneiro.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.