Empresas Inforphone e GrupoVarius retiram patrocínio do Sporting

Empresas Inforphone e GrupoVarius retiram patrocínio do Sporting

 

Lusa/AO online   Futebol   18 de Mai de 2018, 14:27

As empresas Inforphone e GrupoVarius anunciaram esta sexta-feira que vão acionar os mecanismos legais para retirar o patrocínio que atualmente concedem ao Sporting Clube de Portugal, na sequência da polémica em torno do clube.

Em comunicado, o grupo Inforphone, atual parceiro oficial tecnológico do Sporting, com ligação até 2019 através da marca Inphtech, informou que o grupo "irá desencadear os mecanismos legais para a desvinculação do contrato assinado entre as partes, nomeadamente por a marca Sporting estar a prejudicar o bom nome e imagem da marca".

"Perante todos os acontecimentos e tomada de posição por parte da direção do Sporting Clube de Portugal, como administrador do Grupo Inforphone entendemos que já não existem condições para estarmos ligados a uma imagem que nos origina um sentimento de vergonha, arrogância e, acima de tudo, desrespeito pelo nosso esforço em investir no clube e estar associado ao mesmo", refere o presidente executivo Tiago Ramos, que assina o comunicado.

Também o GrupoVarius fez saber em comunicado que após as declarações de Bruno Carvalho de quinta-feira e face ao discurso transmitido pela comissão executiva da SAD do Sporting e membros dos órgãos sociais, informa "que irá desencadear os mecanismos legais de forma a desvincular-se como principal sponsor do judo do Sporting Clube de Portugal, bem como de quaisquer outros compromissos e relações entre as partes".

"A comissão executiva do Sporting Clube de Portugal deveria ter-se demitido, elevando assim os superiores interesses do clube e dos sócios. Uma vez que isso não sucedeu e a arrogância e prepotência falaram mais alto, não existem condições para continuar ligados a uma imagem de violência, escândalos e incongruências", sustenta.

A polémica que envolve o Sporting agravou-se nos últimos dias, depois da derrota da equipa de futebol no domingo, no último jogo da I Liga de futebol, frente ao Marítimo, que fez o clube de Alvalade perder o segundo lugar para o Benfica.

Antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, em que o Sporting defronta o Desportivo das Aves, a equipa de futebol foi atacada na academia de Alcochete, na terça-feira, por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores. A GNR deteve 23 dos atacantes.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve na quarta-feira quatro pessoas na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, que foi libertado sob caução e impedido de exercer funções desportivas.

O cenário agravou-se com as demissões na quinta-feira da Mesa da Assembleia Geral, em bloco, e da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, instando o presidente do Sporting a seguir o seu exemplo, mas Bruno de Carvalho anunciou ao fim do dia que se irá manter no cargo.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.