“Efeito dominó” na guerra comercial poderá estar em curso

“Efeito dominó” na guerra comercial poderá estar em curso

 

Lusa/AO online   Economia   3 de Abr de 2018, 14:03

O diretor-geral da OMC manifestou esta terça-feira à agência Lusa, em Lisboa, a “preocupação” por a guerra comercial desencadeada com as novas tarifas alfandegárias aprovadas pelos Estados Unidos ter começado já a fazer cair as primeiras peças do “efeito dominó”.

“Temos de evitar situações de conflito, de escalada, de medidas que possam levar a contramedidas e essas contramedidas levarão a outras medidas, e assim por diante. É o que chamamos 'efeito dominó'. Podemos estar a ver as primeiras peças do dominó a caírem e isso é muito preocupante”, afirmou Roberto Azevêdo.

Para o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), a solução “tem de passar pelo diálogo” entre as partes.

“O que temos de fazer é preservar os canais de diálogo, tentar encontrar soluções, falar, as partes têm de falar. Estamos a tentar ajudar nesse diálogo e isso não é fácil, porque, evidentemente, são decisões políticas muito importantes, muito sensíveis, e não podemos desistir”, sublinhou.

“No momento em que entrarmos nessa escalada, nesse processo de retaliações mútuas, vai ser difícil de reverter esse caminho”, avisou o economista brasileiro.

A decisão unilateral, anunciada pelos Estados Unidos a 08 de março último, de impor taxas de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio relançou o espetro de uma guerra comercial.

Esse risco aumentou quando a Casa Branca anunciou que pretende impor tarifas a importações chinesas que podem atingir os 60 mil milhões de dólares anuais, enquanto Pequim ripostou ameaçando as exportações norte-americanas, nomeadamente no setor da fruta.

Washington anunciou que vai lançar um processo contra a China junto da OMC, acusando Pequim de "infringir os direitos de propriedade intelectual" das suas empresas.

Na origem da tensão comercial entre as duas principais potências comerciais está o colossal défice comercial dos Estados Unidos com a China (375,2 mil milhões de dólares em 2017, segundo as autoridades chinesas).

Já a 23 de março, Roberto Azevêdo advertiu que as novas barreiras aduaneiras põem “em perigo a economia mundial”, quando Pequim e Washington mantêm um braço de ferro comercial.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.