Durão Barroso pede "ambição" aos líderes europeus

Durão Barroso pede "ambição" aos líderes europeus

 

Lusa/AO Online   Internacional   9 de Dez de 2008, 11:26

Durão Barroso afirmou hoje que o Conselho Europeu de quinta e sexta-feira em Bruxelas é o "mais importante" em que participa desde que preside à Comissão Europeia e pediu aos líderes europeus que estejam à altura.
 "Para mim este é o Conselho Europeu mais importante em que alguma vez participei como presidente da Comissão. Será um verdadeiro teste para a Europa", disse, apontando como grandes desafios da Cimeira a necessidade de os 27 chegarem a acordo sobre a resposta europeia à crise financeira e económica, bem como ao plano energético e de combate às alterações climáticas.

    José Manuel Durão Barroso sustentou que a Cimeira vai ser seguida com particular atenção quer dentro da União Europeia, pelos cidadãos europeus, quer fora da Europa, pelos seus principais parceiros, pois este é o momento de os líderes europeus mostrarem que "estão prontos" para responder aos desafios, designadamente a nível da crise económica e da política climática.

    O presidente do executivo comunitário disse por isso esperar que os chefes de Estado e de Governo dos 27, num "espírito europeu", mostrem que a União Europeia tem uma resposta que faz parte da solução global e que consegue actuar num "verdadeiro espírito de parceria".

    "Os nossos cidadãos não aceitarão desculpas se os seus líderes não conseguirem tomar as decisões certas", advertiu.

    Na Cimeira de quinta e sexta-feira, que assinala o final da presidência francesa da União Europeia, os chefes de Estado e de Governo procurarão chegar a acordo sobre um plano europeu de relançamento da economia que prevê um esforço orçamental equivalente a 1,5 por cento do PIB (Produto Interno Bruto) da UE (cerca de 200 mil milhões de euros), inspirado num projecto apresentado pelo presidente da Comissão Europeia.

    Questionado sobre as reticências com que o plano foi acolhido a nível dos ministros das Finanças da UE, na semana passada, José Manuel Durão Barroso comentou que, por natureza, os ministros das Finanças são "prudentes", pelo que até considerou positiva a sua resposta, esperando todavia mais ambição por parte dos líderes europeus.

    "Eu espero que os ministros das Finanças sejam prudentes, ficaria preocupado se eles não o fossem. Mas espero que o Conselho Europeu seja mais ambicioso que os ministros das Finanças. Estou confiante que isso vá acontecer", afirmou.

    Os 27 vão também tentar chegar a um acordo final sobre a repartição entre os Estados-membros dos esforços de luta contra os gases nocivos para o planeta.

    Os líderes europeus comprometeram-se em 2007 a alcançar até 2020 três objectivos: a redução das emissões de gases da UE em 20 por cento, o aumento para 20 por cento da quota-parte das energias renováveis e o aumento em 20 por cento da eficiência energética.

   


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.