Sociedade

Drenagem de águas provoca receios em Vila Franca

Carregando o video...

 

Paulo Faustino   Regional   12 de Mai de 2010, 18:58

As preocupações com as obras das Scut ainda não pararam. Depois de há dois meses um homem ter ficado com a moradia parcialmente soterrada na Ribeira Chã devido a uma enxurrada que ‘empurrou’ materiais provenientes daquela empreitada, nesta qaurta-feira uma família residente junto às obras em Vila Franca do Campo veio a público criticar, juntamente com uma representação parlamentar do PSD/A, o sistema de drenagem das águas pluviais naquela zona.

Luísa Teves diz, por exemplo, que as chuvas têm engrossado os caudais de água que vêm da montanha de uma forma de que "não há memória de acontecer, concentrando-os em sítios que não foram preparados" do ponto de vista da drenagem de águas pluviais. A situação é, para a moradora, de tal maneira grave que teme pela integridade da sua quinta e moradia, pois "tenho a pouca sorte de ter uma levada de água que passa por trás da propriedade". Um "perigo" que se esconde por trás da casa e espreita Vila Franca do Campo. A queixosa afirma que, até à construção das estradas Scut, todas as águas provenientes das chuvas espalhavam-se por vários regos que ligavam às ribeiras existentes. E a seguir disso? "No meu caso, toda esta água está canalizada para uma levada de 60 centímetros de diâmetro, ou seja, a levada está a deixar de existir de dia para dia". E lembra que, perante um dia de maior precipitação, "mais a levada fica deteriorada porque não consegue aguentar o caudal de água que recebe. É uma coisa com mais de 100 anos, foi feita com muito cuidado, dispersando a água por vários sítios. Neste momento, está concentrada por trás da minha propriedade...", lamenta.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.