Incêndios/Grécia

Doze embracações da Guarda Costeira em operações de resgate


 

Lusa/AO Online   Internacional   24 de Jul de 2018, 16:23

A costa grega está a ser monitorizada por 12 embarcações da Guarda Costeira grega e 30 embarcações privadas, à procura de pessoas encurraladas pelas chamas dos incêndios em Ática, revela o Governo grego em comunicado.

A nota oficial informa que foram retiradas 715 pessoas da localidade de Mati, aldeia que foi consumida pelos incêndios de segunda-feira, que já causaram pelo menos 74 mortos.

O porta-voz do Governo grego contabiliza os meios operacionais em uso no combate aos incêndios “catastróficos”, incluindo 38 ambulâncias, quatro unidades móveis e duas unidades especializadas de resposta a desastres.

“A Marinha também contribuiu com uma fragata, dois barcos de escalada, três helicópteros e três navios de guerra para conflitos assimétricos”, pode ler-se no comunicado do porta-voz do Governo helénico, Dimitris Tzanakopoulos.

“A situação ainda é crítica. A rápida escalada dos fogos, em 14 localizações simultâneas, três frentes paralelas em Ática, assim como a velocidade dos ventos, que chegou ao nível 9 na escala de Beaufort, criaram condições operacionais extremamente difíceis para as forças aéreas e terrestres”, explica o comunicado.

Segundo o Governo grego, ministros da Saúde, Transportes, do Interior e outros altos responsáveis estão em vários locais, com a ajuda de 150 engenheiros que vão ser enviados para Rafina para fazer o levantamento de danos materiais.

Além da operação de combate a incêndios, há um plano de emergência paralelo com a mobilização dos ministérios da Administração Interna, Saúde, Transportes, Defesa, Marinha e Ambiente, juntamente com a Polícia.

O comunicado informa que será realizada uma reunião posterior com a participação de todos os ministros e do Chefe da Brigada de Fogos, a fim de avaliar plenamente a solução e tomar medidas para “enfrentar a crise”.

Apenas em Ática, 156 adultos foram hospitalizados, dos quais 11 estado crítico e 16 crianças, que não correm perigo, segundo a nota oficial.

A maioria dos feridos foi transportada para o Hospital de Evangelismos, em Atenas, enquanto vários hospitais militares em Ática estão de portas abertas.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, manteve conversações com o Presidente da República do Chipre, o primeiro-ministro búlgaro e deverá estar em contacto com os presidentes turco e francês.

Os fogos que lavram na Grécia causaram pelo menos 74 mortos e mais de 172 feridos, alguns em estado crítico, de acordo com os últimos dados da Proteção Civil grega.

O Governo de Alexis Tsipras pediu ajuda internacional na noite de segunda-feira, tendo já alguns países respondido com meios de apoio.

Portugal vai enviar 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia, anunciou hoje o ministro da Administração Interna.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.