Distrital do PSD/Porto pede demissão do ministro da Saúde por causa do Infarmed

Distrital do PSD/Porto pede demissão do ministro da Saúde por causa do Infarmed

 

Lusa/Ao online   Nacional   22 de Set de 2018, 19:16

A direção da distrital do PSD do Porto pediu este sábado a demissão do ministro da Saúde, Adalberto Campos Ferreira, que anunciou a suspensão da transferência do Infarmed para a cidade.

“Visto que o senhor ministro da Saúde faltou com a sua palavra e com o seu compromisso, não pode o PSD distrital do Porto deixar de pedir a intervenção do senhor primeiro-ministro, António Costa, para que a ‘palavra dada, seja palavra honrada’, com a consequente demissão do ministro da Saúde, que muito tem lesado a região Norte”, afirma o líder da direção da distrital do Porto do PSD, Alberto Machado, num comunicado.

O dirigente do PSD considera que “a forma atabalhoada e incoerente com que este Governo tem tratado o tão importante processo de descentralização coloca em causa a credibilidade e a seriedade dos responsáveis políticos e desacredita o Estado como um todo”.

Alberto Machado apela agora à Assembleia da República para que “tenha em consideração todos os estudos e a equidade territorial para tomar a decisão de deslocalização do Infarmed para o Porto”, depois de na sexta-feira o ministro da Saúde ter dito que a mudança a autoridade do medicamento dependerá da comissão parlamentar que vai acompanhar os processos de descentralização dos serviços públicos.

A distrital do PSD do Porto exige demissão do ministro por “quebra de compromisso”, lembrando que há cerca de um ano, “sem que ninguém tivesse previsto", Adalberto Campos Fernandes anunciou, e bem, a deslocalização" para o Porto da sede do Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde.

“Pareceu-nos uma decisão ajustada. Se a cidade do Porto competiu com outras cidades europeias e foi elogiada pelas suas capacidades técnicas, localização e qualidade de vida que ofereceria aos funcionários da EMA [a agência europeia do medicamento], por que não poderia oferecer o mesmo ao instituto local [Infarmed]?”, questiona.

"É com grande consternação que agora ouvimos o ministro da Saúde a suspender a sua ideia de deslocar o Infarmed para o Porto. E, ao contrário do que disse, esta decisão é tudo menos coerente, visto que apenas um ano antes a dava como garantida a partir de 2019”, acrescenta.

No entender da distrital do PSD, “esta nova decisão vem contrariar, inclusivamente, o próprio estudo do grupo trabalho constituído por este governo para avaliar o impacto da mudança deste instituto, o qual concluiu que a deslocalização para o Porto ‘trará maior produtividade e eficiência, nomeadamente com a construção de instalações mais adequadas do que as atuais, no Parque de Saúde, em Lisboa’".

Adalberto Campos Fernandes disse na sexta-feira aos deputados, na comissão parlamentar de Saúde, que "o contexto político mudou significativamente" em relação há um ano, quando a decisão de mudar o Infarmed para o Porto foi tomada pelo Governo.

O ministro considera que a discussão sobre a deslocalização do Infarmed teve o mérito de "abrir um diálogo nacional sobre a descentralização dos serviços públicos".

Contudo, uma vez que o parlamento terá uma comissão para acompanhar processos de descentralização, o ministro disse que "não faria sentido extrair o Infarmed desse processo".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.