Crime

Director de Investigação Criminal da PJ admite carência de recursos humanos


 

Lusa / AO online   Nacional   5 de Mar de 2010, 11:08

O director de Investigação Criminal da Polícia Judiciária admitiu esta sexta-feira, no Porto, que “a PJ tem um problema que é a carência de recursos humanos”.
“Temos actualmente cerca de 15 mil processos pendentes para cerca de mil inspectores que, tirando situações de baixa (entre outras), se resumem a 700 no activo”, afirmou José Carlos Nunes durante uma conferência realizada na manhã de hoje na Faculdade de Direito do Porto no âmbito da semana de emprego.

Explicando aos alunos as características da profissão de inspector judiciário, José Carlos Nunes salientou que em início de carreira o salário, bruto, ascende aos 1.600 euros mas que, por contrapartida, “os criminosos não marcam hora e nem sempre dão uma vida descansada” aos inspectores

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.