Deputados britânicos pedem que primeiro-ministro convoque imediatamente Parlamento

Deputados britânicos pedem que primeiro-ministro convoque imediatamente Parlamento

 

AO Online/ Lusa   Internacional   18 de Ago de 2019, 11:17

Mais de 100 deputados britânicos pediram, numa carta divulgada este domingo, ao primeiro-ministro Boris Johnson para convocar imediatamente o Parlamento e voltar a debater o Brexit.

As férias de verão do Parlamento terminam normalmente a 03 de setembro, mas os autores da carta, todos eles opositores do Brexit, defendem que os parlamentares devem estar reunidos em permanência até 31 de outubro, data em que o Reino Unido deve sair da UE.

"O país está à beira de uma crise económica, por nos dirigirmos para um Brexit sem acordo", pode ler-se na missiva. "Estamos perante uma emergência nacional e o Parlamento deve ser convocado de imediato", acrescentam.

Borus Johnson está determinado na saída efetiva do Reino Unido da UE a 31 de outubro, mesmo que sem conseguir renegociar o acordo concluído entre a ex-primeira-ministra britânica Theresa May e Bruxelas.

Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, principal formação da oposição, quer apresentar uma moção de censura contra o conservador Johnson, quando o Parlamento retomar os trabalhos.

Corbyn espera, caso consiga derrubar Johnson, ser primero-ministro interino para tentar conseguir um novo adiamento da data de saída da UE e evitar um Brexit sem acordo, convocando em seguida eleições antecipadas.

O Governo de Boris Johnson tem uma maioria de apenas um voto no Parlamento britânico.

"O que precisamos é de um Governo que esteja pronto a negociar com a UE para não termos uma saída catastrófica em 31" de outubro próximo, afirmou, no sábado, Corbyn. E o Governo de Johnson "não quer claramente fazer isso", sublinhou.

O Parlamento britânico é composto por duas Câmaras, a dos Comuns e a dos Lordes. A Câmara dos Comuns tem 650 assentos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.