Educação

Custos com material escolar pode ultrapassar os 800 euros em família com três filhos

Custos com material escolar pode ultrapassar os 800 euros em família com três filhos

 

  Nacional   2 de Set de 2012, 11:34

Uma família com um filho em cada um dos três ciclos de ensino vê-se obrigada a gastar perto de 450 euros só em livros escolares, valor que pode ultrapassar os 600 euros se se juntar o material escolar.

De acordo com um levantamento feito pela Lusa, em média, uma família destas gastará cerca de 50 euros no 1º ciclo do ensino básico, 150 euros no 2º ciclo e 240 no 3º ciclo, apenas nos manuais escolares básicos e obrigatórios.

Esta conta não inclui os preços dos livros de música, de educação visual, de educação tecnológica e de educação física, já que estas são disciplinas em que fica ao critério do professor a adoção ou não do livro.

No entanto, se uma família tiver de comprar os manuais escolares daquelas quatro disciplinas, que estão definidos para a escola dos seus filhos no próximo ano letivo, terá de assumir um gasto adicional superior a cem euros.

Feitas as contas, já foram ultrapassados os 700 euros, a gastar quase de uma só vez, no espaço de um mês.

A possibilidade de receber os livros gratuitamente só se coloca aos alunos do escalão A do Serviço de Apoio Social Escolar (SASE), dado que os do escalão B têm de apresentar as faturas para receber apoio, explicou à Lusa a professora da escola primária da Trafaria, Carla Gonçalves.

Ou seja, é preciso avançar primeiro com o dinheiro e só depois se é ressarcido.

No entanto, em contexto de crise económica, com a diminuição do poder de compra e a perda dos subsídios, são cada vez mais os pais que se veem em dificuldades para despender centenas de euros nos livros escolares, mas sem que isso os faça atingir os dois escalões que lhes dão direito a apoio escolar social.

A solução pode passar pela compra de manuais escolares em segunda mão à venda na Internet.

São vários os sites onde é possível encontrar milhares de livros usados à venda, como o “leilões.net”, o “venderlivros”, o “Coisas”, o “Custo Justo”, ou o “OLX”.

Os livros são vendidos a preço de saldo e em alguns casos é possível até encontrar manuais a apenas um euro, mas a maioria anda entre os 5 e os 10 euros.

Carla Rocha, uma encarregada de educação de Setúbal, usa este sistema desde 2009, ano em que o filho entrou para o 6º ano de escolaridade.

“Nos dois primeiros anos poupei dois terços do valor que teria de gastar se comprasse novos”, contou à Lusa. O “ano mais fraco do negócio” foi 2011, economizou 80 euros, mas os manuais estavam todos em “bom estado”.

Entretanto, no ano passado surgiu um novo movimento de troca de livros: o “Banco do Livro Escolar – Troca Gratuita de Livros Escolares”, que já tem uma página no Facebook com mais de 11 mil amigos e 60 bancos de recolha e troca gratuita de manuais espalhados pelo país.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.