Costa escolhe Elisa Ferreira para Comissária Europeia


 

Lusa/AO Online   Internacional   27 de Ago de 2019, 09:45

O primeiro-ministro, António Costa, escolheu a ex-ministra Elisa Ferreira para comissária europeia e já o comunicou à nova presidente da comissão, disse a agência Lusa fonte oficial do seu gabinete.

“O primeiro-ministro comunicou à presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, o nome de Elisa Ferreira para integrar o colégio de Comissários da próxima Comissão Europeia”, afirmou à Lusa fonte oficial do gabinete de António Costa.

Segundo a mesma fonte, oportunamente a presidente eleita da Comissão Europeia comunicará a pasta atribuída à futura comissária portuguesa.

Elisa Ferreira foi ministra dos governos chefiados por António Guterres, primeiro do Ambiente, entre 1995 e 1999, e depois do Planeamento, entre 1999 e 2002, e ocupa, desde setembro de 2017, o cargo de vice-governadora do Banco de Portugal.

Elisa Ferreira sucederá a Carlos Moedas, que foi comissário indicado pelo anterior governo PSD/CDPP.

Carlos Moedas teve a seu cargo a pasta da Investigação, Ciência e Inovação e foi nomeado em novembro de 2014.

Há cerca de duas semanas, em 08 de agosto, o porta-voz da presidente eleita da Comissão tinha dito à agência Lusa que Ursula von der Leyen tinha mantido encontros informais com os dois candidatos apresentados por Portugal, Elisa Ferreira e o eurodeputado e antigo ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, nomes avançados, na altura, pelo jornal Público.

O Conselho Europeu fixou a data de 26 de agosto para apresentação dos nomes propostos pelos países para comissários, contudo a data não é vinculativa, dado não haver prazos legais para a designação dos comissários europeus.

A alemã Ursula von der Leyen, que vai presidir à próxima Comissão, terá de se reunir com todos os candidatos para fazer as suas escolhas, de nomes e de pastas.

O ‘elenco’ final de 26 comissários e respetivas pastas – excluindo a Alemanha, que já tem a presidência, e o Reino Unido, que conta sair em 31 de outubro, véspera da entrada em funções da nova Comissão – deverá por isso ser ‘fechado’ a tempo para as audições nas respetivas comissões do Parlamento Europeu, que deve pronunciar-se sobre o colégio como um todo em 22 de outubro.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.