Contratos na pesca geram dúvidas no salário a pagar

Contratos na pesca geram dúvidas no salário a pagar

 

Rui Jorge Cabral   Regional   8 de Jan de 2019, 09:15

Com a implementação dos contratos, gerou-se a dúvida quanto ao salário a pagar, com alguns armadores a dizerem não poder garantir um salário mínimo todos os meses aos pescadores. Federação esclarece que o contrato permite flexibilidade.

A aplicação dos contratos de trabalho na pesca está a gerar dúvidas entre os armadores, sobretudo relacionadas com a ideia de que vai passar a ser obrigatório pagar um salário mínimo todos os meses aos pescadores, que no início deste ano foi fixado nos Açores em 630 euros mensais.

Contudo e em declarações ao Açoriano Oriental, o presidente da Federação das Pescas dos Açores, Gualberto Rita, afirma que o que está previsto na convenção que estabelece os contratos na pesca açoriana é “uma parte fixa de 150 euros, sendo o restante uma retribuição variável nos quinhões e na caldeirada, consoante as horas em que o pescador foi ao mar. Não é verdade que o pescador tenha obrigatoriamente de receber o ordenado mínimo regional”. 


Leia mais na edição desta terça-feira, 08 de janeiro 2019, do jornal Açoriano Oriental



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.