Conservadores desfilam em Seul para celebrar morte do ditador norte-coreano


 

Lusa/AO online   Internacional   20 de Dez de 2011, 15:47

Dezenas de activistas conservadores da Coreia do Sul e de veteranos das campanhas militares sul-coreanas manifestarem-se hoje para saudar a morte do ditador norte-coreano Kim Jong-Il.
Cerca de cem pessoas reuniram-se no centro da cidade para entoar cânticos a “celebrar a morte do ditador”, descrevendo a morte de Kim como “uma alegria para toda a humanidade que se preocupa com os direitos humanos e com a democracia”.

Os manifestantes escreveram também "julgamento” em tinta preta numa bandeira da Coreia do Norte antes de a destruírem com uma faca, de pisarem os pedaços e de os deitarem para um caixote do lixo.

“Vamos destruir a terceira geração da ditadura”, gritaram também os manifestantes.

Na segunda-feira, a imprensa estatal da Coreia do Norte anunciou que Kim tinha morrido no sábado, na sequência de um ataque cardíaco durante uma viagem de comboio, e pediu aos norte-coreanos que se unam atrás do filho mais novo e herdeiro aparente de Kim Jong-Il, Kim Jong-un.

Os manifestantes sul-coreanos rasgaram também fotos dos deputados liberais sul-coreanos e da ex-primeira dama Lee Hee-ho, por terem prestado condolências pela morte de Kim.

Na terça-feira, a Coreia do Sul manifestou condolências à Coreia do Norte, afirmando que não vai enviar delegação oficial a Pyongyang, ao funeral do ditador, mas vai permitir a visita de Lee à capital norte-coreana.

As relações entre os dois vizinhos deterioraram-se desde 2010, ano marcado por dois incidentes graves: o torpedeamento em março de uma corveta sul-coreana, atribuído a Pyongyang por um inquérito internacional (46 mortos) e o bombardeamento de uma ilha sul-coreana pelo Norte em Novembro (quatro mortos).

As duas Coreias continuam oficialmente em guerra, uma vez que o conflito de 1950-53 terminou com um armistício, sem que tenha sido assinado um tratado de paz.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.