Conselho de Ilha da Graciosa diz que Governo satisfez "muitos dos pontos" apresentados

Conselho de Ilha da Graciosa diz que Governo satisfez "muitos dos pontos" apresentados

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Jul de 2018, 09:22

O presidente do Conselho de Ilha da Graciosa considerou que o executivo açoriano satisfez “muitos dos pontos” do memorando de 2018, quando em 2017 transitaram cerca de 50% questões.

“Ficamos, de um modo geral, satisfeitos porque o Governo, desta vez, veio satisfazer muitos dos pontos do memorando de 2018, embora contemplando muitos de 2017 que transitaram”, declarou Vítor Fonseca no final da reunião do Conselho de Ilha, organismo onde têm assento as forças vivas da ilha, bem com a classe política.

O dirigente destacou a relevância colocada nos programas de emprego para a ilha face à oferta de mercado de trabalho “bastante baixa”, bem como na questão das consultas de especialidade, que obrigam os residentes na Graciosa e deslocarem-se a outras ilhas, esperando-se agora que o executivo “cumpra agora as promessas feitas na reunião”.

Outro dos dossiers tratados na reunião do Conselho de Ilha com os membros do Governo foi a questão dos resíduos, tendo o responsável afirmado que “existem avanços” na remoção do material que estava acumulado.

No abastecimento de água a ilha ainda não está a ser confrontada com cortes, defendendo o responsável a necessidade de “acautelar a situação”, tomando-se “atempadamente medidas neste sentido”, por exemplo, através de campanhas de racionamento, a par de novos furos.

O presidente do Governo dos Açores declarou, por seu turno, que “não deixa de haver na ilha Graciosa condições para a criação de emprego e sua sustentabilidade”, tendo-se registado em 2017 o “mais baixo número de inscritos no desemprego dos últimos seis anos” através de parcerias entre entidades públicas e privadas.

Questionado sobre a seca que afeta também a ilha Graciosa, Vasco Cordeiro recordou que foram já anunciadas medidas pelo secretário regional da Agricultura e Florestas, que passam, entre outras, pelo apoio à aquisição de alimentos para ajudar os agricultores a ultrapassar esta “fase de dificuldades”.

A 05 de julho, o titular da pasta da Agricultura anunciou que o executivo vai disponibilizar dois milhões de euros para a importação de 20 mil toneladas de alimentação animal.

O executivo açoriano vai também abrir um período de candidaturas para os agricultores que estão a ser confrontados com prejuízos na produção de milho forrageiro e produtos hortícolas acima de 25%, havendo uma avaliação caso a caso.

A visita oficial do Governo dos Açores à ilha Gracicosa termina quinta-feira.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.