RTP

Comissão de Trabalhadores quer administração nomeada pelo parlamento

Comissão de Trabalhadores quer administração nomeada pelo parlamento

 

LUSA/AOnline   Nacional   2 de Set de 2012, 14:45

A Comissão de Trabalhadores da RTP defendeu hoje que o conselho de administração da empresa deve ser nomeado pelo parlamento.

“O novo conselho de administração, sem dever, naturalmente, dar garantias hipócritas de apartidarismo, deve ter um perfil de compromisso autêntico com o imperativo constitucional do serviço público e deve pôr esse compromisso acima das suas inclinações partidárias, religiosas ou outras”, lê-se num comunicado emitido hoje.

O documento contém 10 mandamentos para “uma administração aceitável para os trabalhadores”.

Recomenda-se uma liderança composta por pessoas com uma trajetória de serviço público, de preferência “com tarimba feita na área da rádio e/ou televisão”, o que classificam de “a antítese dos comissários políticos armados de lápis azul ou das comissões liquidatárias obcecadas com critérios economicistas”.

O novo conselho de administração deve “caracterizar-se por uma capacidade de diálogo com provas dadas, que lhe permita criar consensos com as duas componentes fundamentais do serviço público: os trabalhadores que devem prestá-lo e o público que dele deve beneficiar”, prossegue a Comissão de Trabalhadores.

O órgão representativo dos trabalhadores quer ainda que a nova administração coloque a RTP entre os mais elevados padrões de qualidade de serviço público, “aspirando a fazê-la medir-se com as estações públicas europeias” e não com as estações comerciais portuguesas.

Os trabalhadores pretendem também anular os cortes salariais e reduzir o número de direções: “Esta casa viverá bem com metade dos seus cargos de estrutura”.

Na sexta-feira, fonte governamental disse à agência Lusa que a nova administração será nomeada em breve, estando a atual a assumir a gestão até o processo estar concluído.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.