Comissão de Trabalhadores da RTP convoca plenário para quarta-feira

Comissão de Trabalhadores da RTP convoca plenário para quarta-feira

 

Lusa/AO Online   Nacional   24 de Ago de 2012, 07:03

A Comissão de Trabalhadores (CT) da RTP convocou para quarta-feira um plenário, depois de o economista e consultor do Governo António Borges ter admitido o encerramento da RTP2 e a concessão a privados da RTP1.

Para a CT da empresa pública de rádio e televisão, o Governo "estará a preparar-se para fazer uma razia" no número de efetivos, como a "anunciada ontem [na quarta-feira] na televisão valenciana: quase 1.300 despedimentos num total de 1.800 trabalhadores".

Em comunicado divulgado na quinta-feira à noite, a Comissão de Trabalhadores sustenta que, "quando o Governo mantém uma fixação obsessiva em privatizar a RTP, com total indiferença face ao futuro do serviço público e dos seus trabalhadores, tem lógica admitir que esse Governo apenas se tenha preocupado em neutralizar o desagrado de Balsemão [SIC] e Pais do Amaral [TVI], garantindo-lhes que o canal concessionado não possa competir no mercado publicitário".

"E o silêncio sobre a rádio não augura nada de bom", frisa a CT, criticando o ministro da tutela, Miguel Relvas, por se ter feito representar por António Borges, "um testa-de-ferro de grandes grupos negocistas".

O economista e consultor do Governo António Borges considerou na quinta-feira à noite, em entrevista à TVI, que a possibilidade de concessionar a RTP1 a investidores privados é um cenário "muito atraente", embora ressalvando que nada está ainda acordado sobre o futuro da empresa.

Momentos antes, na sua página na Internet, o jornal Sol avançou que o Estado fará a concessão total do serviço público de televisão e rádio (RTP e RDP) a um operador privado, por um período de 15 a 25 anos.

Para António Borges, a proposta de concessão da RTP1 é atraente porque levaria o canal a "permanecer na propriedade do Estado", sendo a licença entregue a um privado, que teria de cumprir as "obrigações de serviço público", recebendo para tal um apoio estatal "bastante inferior" ao atual.

O dinheiro a injetar por via do Estado seria o resultante em exclusivo da contribuição dos cidadãos paga por via da taxa do audiovisual, que foi no ano passado de cerca de 140 milhões de euros.

Borges admitiu ainda que a RTP2 irá "muito provavelmente" fechar, independentemente do cenário a adotar para o futuro da empresa, em razão do seu avultado custo para reduzidas audiências.

"Se o concessionário quiser pode despedir. Se entender que tem trabalhadores a mais, pode despedir", concretizou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.