Comissão de Inquérito á compra da TVI toma hoje posse


 

Lusa/AO On line   Nacional   18 de Mar de 2010, 05:42

A comissão de inquérito sobre a alegada intervenção do Governo na TVI toma hoje posse para tentar clarificar a alegada existência de um plano do Governo para controlar os media, que tem dividido empresários e jornalistas.

Entre as 23 pessoas que já foram às audições na Comissão de Ética, oito defendem claramente que o Governo tentou intervir na comunicação, nomeadamente através da tentativa de compra da TVI pela Portugal Telecom, enquanto 10 negam veementemente. Os restantes não são tão claros.

Na lista dos que acham que o Governo - este e/ou anteriores - pressionou administrações ou jornalistas para benefício próprio contam-se os ex-diretor do Público e da TVI José Manuel Fernandes e José Eduardo Moniz, as jornalistas do Sol e da TVI Felícia Cabrita e Manuela Moura Guedes, os diretores do Expresso e do Sol, Henrique Monteiro e José António Saraiva, além do presidente da Impresa, Francisco Pinto Balsemão e do Sindicato de Jornalistas Alfredo Maia.

Do "lado" oposto estão o diretor do Diário Económico António Costa e o presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, o vice presidente do BCP suspenso Armando Vara, os ex-responsáveis da PT Paulo Penedos e Rui Pedro Soares, os presidentes da PR Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, o presidente da Soanecom Ângelo Paupério, o diretor-geral da TVI Bernardo Bairrão e o presidente da Confederação de Meios, João Palmeiro.

Apesar de a comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Cultura já estar há um mês a analisar o exercício da liberdade de expressão e um alegado plano do Governo para controlar a comunicação social, parece haver mais dúvidas agora do que antes.

Por isso, os deputados resolveram criar uma comissão de inquérito que é hoje empossada e que pretende "apurar se o Governo, direta ou indiretamente, interveio na operação conducente à compra da TVI e, se o fez, de que modo e com que objetivos".

Além disso, pretende também verificar se o primeiro ministro faltou à verdade ao Parlamento, na sessão plenária de 24 de junho de 2009, quando disse desconhecer este negócio.

A comissão de inquérito será constituída por 17 deputados, sete do PS, três dos quais vice-presidentes da bancada, seis do PSD, dois do CDS-PP, um do BE e um do PCP.

Presidida por Mota Amaral, a comissão de inquérito toma posse às 12:30 na sala de visitas do presidente da AR.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.