Comercialização de carne de bovino nos Açores cresce desde 2017

Comercialização de carne de bovino nos Açores cresce desde 2017

 

Lusa/AO Online   Regional   12 de Set de 2018, 22:23

A comercialização de carne de bovino nos Açores registou um crescimento de 11% nos primeiros oito meses de 2018, em relação ao período homólogo, na sequência do abate de 48 mil animais, informou o Governo Regional.

Dos abates resultaram, no total, 11 mil toneladas de carne, absorvidas em 55% pela exportação, enquanto o restante foi canalizado para o mercado interno. Segundo a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, entre janeiro e agosto registou-se um crescimento de 3,2% no consumo local e de 18% na exportação de carne de bovino. Também nos abates de bovinos com Identificação Geográfica Protegida (IGP), cuja carne é mais valorizada no mercado, assistiu-se a um crescimento, neste caso de cerca de 30%. De acordo com a nota de imprensa, estes indicadores “traduzem a dinâmica de crescimento e de afirmação sustentável da fileira da carne no contexto do setor agrícola dos Açores”. Para a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas a “situação favorável que se verifica no mercado da carne de bovino é resultado da aposta estratégica do Governo dos Açores nesta fileira”, que passou por investimentos realizados na rede regional de abate e pelo “grande trabalho que os agricultores têm feito ao nível da melhoria constante das suas produções”. A carne dos Açores provém das carcaças de bovinos nascidos, criados e abatidos na região, segundo os moldes tradicionais, estando as suas caraterísticas “intimamente ligadas, por um lado, às condições edafoclimáticas (solo e clima) dos Açores, propícias à criação de gado em pastagens naturais” e, por outro, aos “métodos ancestrais de alimentação e condução do gado seguido pelas populações da região”. A alimentação das crias é efetuada de modo tradicional, com leite materno, pelo menos até cerca dos três meses, e a partir desta idade é fornecida uma alimentação tradicional, constituída por erva das pastagens naturais ou melhoradas. Até serem abatidos, os animais são alimentados com pastagens, sendo muitas vezes complementada a sua alimentação com silagens e fenos obtidos nas próprias pastagens e com concentrados energéticos e proteicos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.