Cimpor tem menos accionistas, mas com controlo ainda indefinido


 

Lusa / AO online   Economia   23 de Fev de 2010, 15:01

Desde que a CSN lançou a OPA sobre a Cimpor, a 18 de Dezembro, dois accionistas de referência trocaram de cadeiras e outros dois saíram do capital da cimenteira, deixando para já indefinida a liderança da empresa.
As cimenteiras brasileiras Camargo Corrêa e Votorantim substituíram a construtora portuguesa Teixeira Duarte e a cimenteira francesa Lafarge, ao passo que a Cinveste, grupo do coronel Luís Silva, e a siderúrgica espanhola Bipadosa, cederam as suas posições aos dois grupos brasileiros, que agora vão disputar o controlo da empresa.

A Camargo Corrêa adquiriu 28,63 por cento do capital social da Cimpor, enquanto a Votorantim comprou 21,22 por cento, com as duas empresas brasileiras a deterem 49,85 por cento da cimenteira, substituindo a Lafarge (detinha 17,28 por cento antes da OPA, tendo alienado a posição à Votorantim) e a Teixeira Duarte (vendeu à Camargo Corrêa os seus 22,91 por cento) enquanto grandes accionistas de referência.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.