Cidade Velha recebe amanhã certificado da UNESCO de Património da Humanidade


 

Lusa/AO Online   Internacional   1 de Jun de 2010, 15:37

A Ribeira Grande de Santiago, elevada a Património Mundial da Humanidade a 26 de junho de 2009, recebe na quarta-feira o respetivo certificado da UNESCO, a ser entregue pelo ministro da Cultura brasileiro.

Juca Ferreira, na qualidade de presidente em exercício da Comissão do Património Cultural da UNESCO, chega na madrugada de quarta-feira à Cidade da Praia para uma visita oficial de três dias, tendo previsto um encontro de trabalho com a homóloga cabo-verdiana, Fernanda Marques.

A cerimónia de entrega do certificado vai decorrer na Cidade Velha, nome por que é conhecida a Ribeira Grande de Santiago, 15 quilómetros a oeste da Cidade da Praia, a primeira urbe construída pelos europeus nos trópicos, neste caso os portugueses, que a descobriram em 1460 e começaram a colonizar dois anos mais tarde.

Entreposto comercial do tráfico negreiro de África para as Américas, a Ribeira de Santiago foi a primeira capital do arquipélago de Cabo Verde, estatuto que manteve até meados do século XVIII, sendo a paróquia do Santíssimo Nome de Jesus da Cidade Velha a primeira do país e de toda a África Ocidental, criada em 1462.

Além disso, a Fortaleza Real de São Filipe foi erguida no contexto da Dinastia Filipina, após os sucessivos ataques e assaltos do corsário inglês Francis Drake (entre 1578 e 1585), visando a defesa da Cidade Velha e do seu ancoradouro.

As obras foram iniciadas em 1587 e concluídas em 1593 mas, em 1712, foi novamente tomada de assalto, desta vez por corsários franceses que saquearam violentamente a cidade, incendiando-a. A fortaleza acabaria por ser reconstruída na segunda metade do século XVIII.

Em 1999, a Fortaleza Real de São Filipe sofreu intervenções de conservação e restauro, no plano de recuperação da Cidade Velha, sob a coordenação do arquiteto português Siza Vieira, financiado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional.

Do antigo património religioso da Cidade Velha conta-se ainda a Igreja de Nossa Senhora do Rosário (a primeira construída pelos portugueses em África, em 1495).

A vinda de Juca Ferreira a Cabo Verde surge no contexto do 1.º aniversário da elevação da Cidade Velha a Património Mundial, dos 35 anos da independência (05 de julho de 1975) e dos 550 da descoberta do arquipélago.

Com Juca Ferreira, chega também a cantora brasileira Daniela Mercury que, em conjunto com o “mestre da Sanfona”, Targino Gondim, e o cantor cabo-verdiano Tito Paris, dá um espetáculo à noite na Praia da Gamboa, na Cidade da Praia.

“Claridália”, como se denomina o espetáculo, é uma forma de brindar as relações culturais entre o Brasil e Cabo Verde e é a junção de “Canibália”, nome da atual digressão de Daniela Mercury, e “Claridade”, importante movimento cultural cabo-verdiano de meados do século XX.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.