China sobe impostos sobre vários produtos norte-americanos em disputa com Trump

China sobe impostos sobre vários produtos norte-americanos em disputa com Trump

 

Lusa/AO online   Internacional   2 de Abr de 2018, 09:47

A China subiu etsa segunda-feira os impostos sobre as importações de carne de porco, fruta e outros produtos dos Estados Unidos, parte de uma disputa comercial com Washington que tem abalados praças financeiras em todo o mundo.

O Ministério das Finanças chinês afirmou que as taxas servem de retaliação à decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de subir as importações sobre o aço e alumínio oriundos da China.

Mas o maior prejuízo para as importações chinesas depende ainda de uma possível subida das taxas alfandegárias sobre os produtos tecnológicos chineses, numa penalização contra a alegada fraca proteção dos direitos de propriedade intelectual por Pequim.

As medidas anunciadas por Trump poderão afetar as importações chinesas num valor de até 60 mil milhões de dólares (mais de 48 mil milhões de euros).

Analistas descartaram impactos económicos imediatos, mas afirmaram que a recuperação global poderá atrasar-se, caso outros países adotem também medidas protecionistas.

Praças financeiras em todo o mundo foram abaladas nas últimas semanas por uma possível guerra comercial entre Washington e Pequim.

A decisão anunciada pelas autoridades chinesas inclui um aumento de 25% nos impostos sobre as importações de carne porco ou alumínio e uma taxa de 15% para maçãs, amêndoas e outros bens norte-americanos.

Pelas contas do Governo chinês, no ano passado, as importações chinesas daqueles produtos, a partir dos EUA, fixaram-se em três mil milhões de dólares (2,4 mil milhões de euros).

A medida afeta sobretudo áreas rurais dos Estados Unidos, onde se concentram muitos dos apoiantes de Trump.

A decisão dos EUA em subir os impostos "prejudicou gravemente os nossos interesses", afirmou o Ministério chinês, em comunicado. "O nosso país defende e apoia o sistema multilateral de comércio", indicou na mesma nota.

O aumento das taxas alfandegárias "é uma medida de acordo com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), visando proteger os nossos interesses", concluiu.

No total, em 2017, as importações chinesas de produtos agrícolas norte-americanos fixaram-se em 20 mil milhões de dólares (16,2 mil milhões de euros).

Só em carne de porco, o valor ascende a mais de mil milhões de dólares, o que torna a China no terceiro maior mercado para a carne de porco norte-americana.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.