Internacional

Cesária Évora uma mulher apaixonada pelo Mindelo


 

LUSA/AOnline   Internacional   17 de Dez de 2011, 20:18

Generosidade, simplicidade e um profundo amor pelo Mindelo: estas eram as características que, para os naturais da ilha de São Vicente, melhor definem o carácter de Cesária Évora, a "Cize", cantora cabo-verdiana que morreu hoje aos 70 anos.

Vizinha de "Cize" durante muitos anos no Mindelo, Alexandra Lopes da Silva, advogada de 36 anos, é, mindelense e, em entrevista à Lusa, recordou este lado mais humano de Cesária Évora, longe dos palcos.

Cresceu "ouvindo «Cize»" e nos convívios nunca se recusava a cantar uma morna quando lha pediam", lembra.

De voz doce e inconfundível, Cesária Évora tornou-se no Mindelo, ainda muito jovem uma referência da cidade, antes da fama internacional, por gostar de cantar onde que quer fosse, em bares, hotéis, mas também nas famosas serenatas que ajudaram a dar ao Mindelo a fama de capital "cultural" do país.

Mas a "Diva dos Pés Descalços" já era famosa em São Vicente por ser "muito generosa" e por nunca se recusar a ajudar um amigo.

"A imagem que guardo até hoje é que a casa dela, no Mindelo, parecia uma pensão. Era um entrar e sair de gente, porque ela ajudava todos. Na casa dela, cozinhava-se o tempo todo, para que, sempre que chegasse um amigo, houvesse um prato de comida, se dele necessitasse", afirmou Alexandra Lopes da Silva.

A generosidade, realçou, "não tinha limites", uma característica que nem a fama internacional conseguiu apagar.

"E mesmo com toda a fama que conseguiu ela soube manter os pés no chão, preservando a sua maneira simples de ser", recordou Alexandra Lopes da Silva.

Além disso, Cesária Évora nunca escondeu o seu amor profundo pelo Mindelo, a cidade de onde era natural e onde, dizia, se sentia em casa.

"O seu amor pelo Mindelo também era notável. Víamos, sempre que chegava de férias, pedir ao motorista que a levasse a dar umas voltas pela cidade e principalmente «pelas fraldas» (bairros da periferia). E o mais engraçado era que era sempre de noite, talvez para recordar os seus tempos de boémia", gracejou.

Por esta ligação com o Mindelo, bem como com o povo de São Vicente, Alexandra Lopes da Silva disse acreditar que, neste momento, toda a cidade está triste porque "perdeu a sua voz, a sua filha predileta".

"Neste momento, o meu pensamento está naturalmente com a família dela, mas também com todos os mindelenses, porque o Mindelo sem Cesária é triste. Ficamos todos mais pobres", lamentou.

E rematou: "é um Natal e um final de ano sem Cesária Évora que deixa todos os cabo-verdianos tristes e com uma sensação de perda irreparável. Nunca mais será a mesma coisa".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.