Sismo

Cerca de 6.000 detidos escaparam das prisões haitianas


 

Lusa/AO Online   Internacional   16 de Jan de 2010, 07:25

Cerca de 6.000 detidos evadiram-se das prisões haitianas, parcialmente destruídas depois do sismo de terça-feira que provocou mais de 50 mil mortos, disseram fontes governamentais à AFP.

Do total, 4.000 estavam detidos na prisão da capital, Port-au-Prince, e muitos deles tinham sido condenados a prisão perpétua, adiantaram as fontes.

Jornalistas da AFP verificaram depois do sismo que a prisão na capital haitiana está parcialmente destruída e não tem ninguém.

A insegurança é um dos principais motivos de inquietação para as equipas internacionais de ajuda humanitária e os habitantes de Port-au-Prince, vítimas de roubos e pilhagens três dias depois do sismo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.