Centros de Saúde apostam na acreditação dos serviços

Centros de Saúde apostam na acreditação dos serviços

 

Rui Leite Melo   Regional   14 de Out de 2009, 08:30

De acordo com o secretário regional da Saúde, a qualidade dos serviços prestados passa pela acreditação das unidades de saúde. A par dos hospitais, Miguel Correia quer ver rapidamente acreditados os centros de saúde

Todas as unidades de saúde do arquipélago deverão estar acreditadas até 2012.

Seguindo o exemplo do Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, já acreditado, e do processo em curso no Hospital da Horta, que também arrancou recentemente na unidade hospitalar de Angra do Heroísmo, os centros de Saúde vão seguir o mesmo caminho.

Isto mesmo foi revelado ontem pelo secretário regional da Saúde, na abertura do seminário "A Qualidade na Saúde", que hoje termina nas Furnas. Miguel Correia lançou mesmo o repto para que todas as unidades de saúde da Região iniciem o processo de acreditação no próximo ano, de modo a que todas estejam acreditadas em 2012. "O nosso objectivo é que os centros de saúde iniciem o processo de acreditação, ou seja, que programem a sua actividade por forma a virem merecer a acreditação até ao fim de 2012", salientou o governante, acrescentando que é aconselhável que comecem a preparar o processo em 2010.

De acordo com o secretário regional, "a qualidade é fundamental em qualquer organização e as que não estiverem atentas não podem ter sucesso", sendo que, na sua opinião, o mesmo se aplica às unidades de Saúde. "É fundamental que estas tenham um sistema que permita identificar os erros e onde houve desvios em relação àquilo que estava programado, e estabelecer um procedimento para a correcção desses mesmos erros. A qualidade é ter uma atenção permanente aos diferentes níveis de qualidade de uma unidade de Saúde, tanto nos equipamentos, como também nos tempos de espera para as consultas, e definir neste campo um objectivo ambicioso para depois ter um sistema que permita identificar os desvios, fazer uma estatística desses erros e proceder à sua correcção", sublinhou Miguel Correia.

Para o secretário regional, a mudança é essencial na vida das organizações e uma forma de adaptação à sociedade, ao progresso tecnológico e à conquista de direitos pelos cidadãos. A esse propósito, referiu que a acreditação do Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, pelo King’s Fund em 2007, foi um acontecimento exemplar e de suma importância para os seus profissionais e utentes.

O secretário regional da Saúde advogou que a qualidade é hoje essencial ao sucesso, dela dependendo a sobrevivência económica de muitas instituições, quer sejam empresas, escolas, organismos públicos, hospitais e centros especializados. O secretário regional disse, por outro lado, que qualquer serviço deve ser orientado para o cidadão, sendo essa a vontade expressa nos diplomas constituintes dos Centros de Saúde e dos Hospitais, para além de ser, igualmente, o dever deontológico das classes profissionais da Saúde. Miguel Correia sustenta que só assim conseguirão levar a cabo a sua missão, optimizando a utilidade das diferentes pessoas que compõem, em sentido lato, uma organização.

Acrescente-se que ao nível do Sistema Nacional de Saúde (SNS), poderão vir a ser introduzidas algumas mudanças em breve, como disse ontem no seminário, a decorrer nas Furnas (ver caixa), Luís Pisco, membro do Conselho para a Qualidade na Saúde. Está em estudo a possibilidade de ser o próprio SNS a proceder à certificação de serviços e não entidades externas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.