Saúde

Cancro da próstata mata por ano em Portugal 1500 a 1800 homens


 

Lusa/AO online   Nacional   11 de Nov de 2010, 17:12

Em Portugal morrem por ano entre 1500 e 1800 homens por cancro da próstata, números que podiam baixar se todos os homens se submetessem a uma vigilância anual a partir dos 50 anos.
Aquela doença, que representa a segunda causa de morte por cancro no homem, será um dos principais temas debatidos durante o XI Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia (APU), que decorre a partir de sexta-feira, em Albufeira.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da APU, Tomé Lopes, afirma que ainda existe muito “pudor” e “mitos” em torno das doenças urológicas - sobretudo do cancro da próstata –, o que faz com que a maioria dos homens receie ir ao médico.

“Têm medo do toque rectal [único exame que permite avaliar o estado da próstata] e receiam que, se lhes for descoberta alguma doença, que esta ou o seu tratamento lhes afecte a capacidade sexual”, diz.

Em Portugal são diagnosticados por ano entre 3 a 4 mil novos casos da doença, números que poderiam ser reduzidos se os homens se submetessem anualmente a vigilância médica, afirma Tomé Lopes.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.