Brasil promete financiar AIR Center em “momento oportuno”

Brasil promete financiar AIR Center em “momento oportuno”

 

Lusa/AO online   Regional   8 de Mai de 2018, 14:07

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, Gilberto Kassab, disse esta terça-feira que, em "momento oportuno", o seu país vai investir recursos financeiros para pesquisas no Centro de Investigação Internacional do Atlântico (AIR Center).

"O Brasil, como todos os países, está disposto a investir recursos, numa decisão que será tomada no momento oportuno", disse o ministro brasileiro aos jornalistas, na cidade da Praia, após uma visita de cortesia ao Presidente da República cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca.

O ministro disse que foi agradecer ao chefe de Estado cabo-verdiano por ter presidido a abertura do 3.º Diálogo de Alto Nível Indústria-Ciência-Governo, que reúne cerca de 300 cientistas, representantes de governos e empresários para analisar os avanços alcançados na execução do Centro de Investigação Internacional do Atlântico.

"A presença dele deu ao diálogo a dimensão que ele merecia, temos certeza que, a partir de agora, o Governo de Cabo Verde dá a esse grupo uma atenção muito grande, como o Brasil também tem dado, para que o trabalho a ser desenvolvimento possa ser muito bem-sucedido", projetou.

O AIR Center, com sede nos Açores e formalizado no encontro em Cabo Verde, é uma rede internacional de organizações de investigação oceânica e espacial na zona do Atlântico, mas que ainda tem como um dos maiores desafios a mobilização de financiamento.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior português, Manuel Heitor, disse, também na cidade da Praia, que o Governo já dedicou 10 milhões de euros ao centro, estando também em negociação com a Comissão Europeia.

Nesse sentido, o governante brasileiro enalteceu a disponibilidade financeira de Portugal, apelando a mais países a aderirem ao centro, política e economicamente.

Quanto ao Brasil, Gilberto Kassab disse que o montante que poderá disponibilizar "está a ser avaliado", garantindo que será utilizado para "pesquisas de cunho coletivo".

"O Brasil tem um peso muito importante. Desde o início fez a sua adesão, acredita neste projeto, tem incentivado os demais países a fazerem a sua adesão o mais rápida possível para que seja adicionado peso político a esse grupo, para que os trabalhos possam ser realizados e com muito mais chances de sucesso", continuou.

Gilberto Kassab considerou que com peso político, os países irão disponibilizar recursos para pesquisas, posteriormente potencializadas, com a experiência e vocação de cada país.

"Acreditamos muito que nas próximas décadas teremos o campo da Oceânia a principal razão das pesquisas da humanidade, até porque existe um universo a ser explorado e que de uma maneira muito tímida tem sido feito até hoje", prosseguiu.

Na segunda-feira, os países participantes no 3.º Diálogo da AIR Center assinaram a Declaração da Praia, em que se comprometem a trabalhar os recursos marinhos, a biodiversidade bem como promover a pesca sustentável.

O documento deixa ainda recomendações para a valorização do ecossistema, mitigação e adaptação às mudanças climáticas, produção científica, aposta nas energias sustentáveis, promoção das mulheres nas pesquisas à volta do mar e reforço do diálogo.

Na fundação do AIR Centre estão envolvidos os governos de Portugal, Brasil, Espanha, Angola, Cabo Verde, Nigéria, Uruguai, São Tomé e Príncipe, juntamente com o Governo regional dos Açores, enquanto Reino Unido e a África do Sul estão, nesta fase, como países observadores.

O terceiro encontro termina hoje e o próximo está agendado para novembro, nas Canárias.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.