Bolas de Berlim de spirulina são novidade nas praias algarvias este verão

Bolas de Berlim de spirulina são novidade nas praias algarvias este verão

 

Lusa/Ao online   Nacional   29 de Jul de 2018, 10:19

Uma bola de Berlim com massa feita à base de spirulina, uma microalga considerada um "superalimento", é a inovação deste verão na ementa de bolas produzidas numa fábrica em Moncarapacho, Olhão, já disponível em várias praias algarvias.

"Queríamos procurar um produto que fosse mais saudável e em conjugação com uma marca de farinhas pedimos que ajustassem um produto feito à base de spirulina", contou à Lusa Carlos Cipriano, que há dez tem uma fábrica no Sítio do Laranjeiro, aberta apenas nos meses de verão, para produzir e vender bolas de Berlim.

Da fábrica "Bolinhas do Carlos" saem diariamente, no verão, bolas com quatro variedades de massa: normal, alfarroba, beterraba (ou 'red velvet') e spirulina. Quanto aos recheios possíveis, há mais de uma dezena de sabores: desde o tradicional creme de pasteleiro, ao mirtilo, maçã, limão, maracujá, quivi, coco, morango e vários tipos de chocolate, incluindo chocolate branco.

Antes de irem para a fritadeira, saltam à vista as cores vivas das bolas feitas à base de spirulina, que têm um tom azulado, e de beterraba, de cor vermelha, mas depois de fritas ganham todas uma cor acastanhada e é a cor interior da massa que as denuncia.

Apesar da ementa variada e inovadora - em 2014 a empresa lançou também a bola de Berlim de alfarroba - a verdade é que a bola tradicional, sem creme ou com creme de pasteleiro, continua a ser a mais procurada nas praias algarvias, sobretudo pelos portugueses, já que os estrangeiros não apreciam tanto a iguaria.

Quanto à massa de spirulina, lançada este ano, ainda é cedo para medir a sua aceitação junto dos consumidores, mas Carlos acredita que é um produto com potencial e que pode conquistar os públicos mais saudáveis ou que apreciem produtos inovadores.

Na praia da Rocha Baixinha, que marca a divisão entre Vilamoura (concelho de Loulé) e o concelho de Albufeira, o casal Gil e Kelica Sousa não tem mãos a medir para a quantidade e variedade de pedidos que lhes chega nos areais, depois de um início de verão tímido e que começa agora a aquecer.

Kelica revelou que a bola de Berlim mais vendida continua a ser a tradicional e a seguir a que tem recheio de chocolate, acrescentando que a bola de spirulina tem tido aceitação, mas simples, sem creme.

A vendedora trabalha naquela praia a vender bolas de Berlim há dez anos, em parceria com o marido, Gil, que já ali está há 14, e é ela quem faz a reposição das bolas quando estas começam a escassear.

"Nós temos pessoas que vêm para aqui há muitos anos e já vimos crianças tornarem-se adultos. Durante anos, uma menina pensou que o meu marido se chamava Carlos e quando descobriu que não era, disse-lhe que, para ela, ele iria sempre chamar-se Carlos", gracejou.

As "Bolinhas do Carlos" estão presentes, por enquanto, nas praias de Albufeira e nas ilhas-barreira da Ria Formosa, em alguns supermercados e até em hotéis de cinco estrelas.

Com uma carteira de clientes que tem vindo a crescer, o empresário Carlos Cipriano teve este ano de recusar pedidos de vendedores de praia, que queriam ser abastecidos pela sua fábrica.

Já receberam também pedidos para venderem para a zona de Lisboa e até para o sul de Espanha, mas por enquanto as bolas de Berlim "do Carlos" só podem ser saboreadas mesmo no Algarve.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.