Berta Cabral (PSD) "nunca" vai permitir que região fique "refém de Lisboa"

Berta Cabral (PSD) "nunca" vai permitir que região fique "refém de Lisboa"

 

Lusa/AO online   Regional   27 de Ago de 2012, 18:17

A candidata social-democrata à presidência dos Açores, Berta Cabral, garantiu hoje que "nunca" irá permitir que "os Açores fiquem reféns de Lisboa", a propósito do financiamento de 135 milhões de euros à região autónoma pelo Governo da República

"Não podemos, de forma nenhuma, permitir que os Açores fiquem reféns de Lisboa. Nesse aspeto, temos uma tarefa grande pela frente, porque essa questão tem que ser retomada no próximo Governo Regional dos Açores", frisou.

Berta Cabral falava aos jornalistas em Castelo de Vide, à margem do primeiro dia da Universidade de Verão do PSD, onde intervém hoje à noite, num jantar-conferência.

Na ocasião, a líder do PSD/Açores foi questionada pelos jornalistas sobre o memorando de entendimento entre o Governo daquela região autónoma e o Governo da República para permitir um financiamento estatal de 135 milhões de euros.

A candidata social-democrata ao Governo Regional dos Açores nas eleições agendadas para 14 de outubro foi perentória: “Eu nunca permitirei que isso aconteça, nunca permitirei que os Açores possam ser reféns de Lisboa”.

“Mesmo indo contra o meu partido, isso não é uma questão de ir contra ninguém. É uma questão de ir a favor dos Açores”, sublinhou.

Berta Cabral lembrou que os Açores “são uma região autónoma”, com “competências” e “órgãos de Governo” próprios e com uma Assembleia Regional, pelo que “tem que ser respeitada”.

“Não pode permitir que os documentos previsionais e mais importantes numa política económica, que é também a política para os Açores, passem primeiro por Lisboa, por um visto prévio, por uma apreciação técnica, antes de serem apresentados ao principal órgão de autonomia, que é a Assembleia Regional”, defendeu.

O memorando de entendimento assinado entre os governos da República e dos Açores determina que o executivo regional dê conhecimento prévio dos documentos previsionais, não aplique medidas compensatórias relativas às remunerações e elabore um boletim mensal de execução orçamental.

O documento assinado a 2 de agosto por Sérvio Ávila, vice-presidente do Governo dos Açores, foi entregue, na sexta-feira passada, pelo executivo no parlamento regional.

O acordo estabelece várias condições para a atribuição do empréstimo de 135 milhões de euros para o refinanciamento da dívida regional, que deverá ser pago em 10 anos.

O jantar-conferência em que participa hoje à noite Berta Cabral marca a abertura de uma semana de aulas na 10.ª edição da Universidade de Verão do PSD, na vila alentejana de Castelo de Vide, que se prolonga até domingo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.