BE questiona Governo Regional sobre câmaras hiperbáricas do Faial e das Flores

BE questiona Governo Regional sobre câmaras hiperbáricas do Faial e das Flores

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   11 de Jul de 2019, 17:12

O Bloco de Esquerda quer saber quais as razões para que a mudança da câmara hiperbárica do Hospital da Horta, na ilha do Faial, ocorra durante o verão e para quando se prevê que seja realizada a manutenção da câmara hiperbárica do centro de saúde das Flores.

Num requerimento enviado à Assembleia Legislativa dos Açores, o Bloco de Esquerda lembra que o Serviço Regional de Saúde conta com três câmaras hiperbáricas que se encontram instaladas no Hospital de Ponta Delgada, no Hospital da Horta e no centro de saúde de Santa Cruz das Flores, “sendo que esta última não está em funcionamento devido à falta de manutenção”, por isso o BE “quer saber quando é que esta câmara estará em funcionamento”.


O BE diz ainda que “foi tornado público, através da comunicação social, que os tratamentos no Hospital da Horta serão suspensos pelo menos durante três semanas, para que seja feita a transferência da câmara hiperbárica para junto da nova unidade de cuidados intensivos”. Nesse sentido, os deputados do BE questionam o Governo sobre o “‘timing’ escolhido, uma vez que corresponde à altura do ano em que há mais risco de acidentes, uma vez que a prática de mergulho aumenta significativamente”.


Além disso, e considerando a importância da medicina hiperbárica para tratamentos de diversas patologias, como infeções bacterianas, “lesões do pé diabético e outras úlceras isquémicas, na surdez súbita, entre outras, o BE solicita ao Governo Regional dados relativos ao número de pessoas a fazer tratamento através da câmara hiperbárica, desagregado por patologias e por ilha de residência”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.