Augusto Santos Silva pede às forças armadas que "não desperdicem recursos"


 

lusa   Regional   17 de Abr de 2010, 18:35

O ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, pediu hoje às Forças Armadas que saibam "utilizar os meios disponíveis em todo o seu ciclo de vida", para que "não se desperdicem recursos".

"Devemos saber modernizar e substituir os meios quando, ao fim de 30 ou 50 anos de bons serviços prestados, têm também direito de passar à respetiva reserva ou reforma" afirmou Augusto Santos Silva.

O ministro, que falava na Base das Lajes, Terceira, na cerimónia de implementação da aeronave C-295 no Destacamento Aéreo dos Açores, elogiou a Força Aérea Portuguesa por ter "reativado os helicópteros enquanto aguarda a colocação do primeiro EH-101".

Na intervenção que proferiu, salientou que, "no conjunto das ações das forças armadas, cabem as responsabilidades crescentes e determinantes na política externa do país".

"Portugal não é uma ilha, é um país que pertence ao concerto das nações e está vinculado a diversas e plurais alianças e organizações, pelo que as Forças Armadas são importantes na definição e aplicação da política externa portuguesa", afirmou.

Segundo o ministro, "sempre que uma força nacional se destaca, destaca-se o país inteiro com ela".

Para o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Luís Araújo, "a introdução do C-295 (neste ramo militar) é da maior relevância no processo de modernização para melhor execução de missões de serviço público interno e em cooperação com os aliados".

A nova aeronave vem substituir os Aviocar que, ao longo de 34 anos, transportaram nos Açores cerca de 34 mil pessoas e 900 toneladas de carga, desde correio e boletins de voto, até bens essenciais que minimizaram o isolamento das populações.

"Até 1993, foi a Força Aérea que assegurou o único transporte aéreo de e para o Corvo, a mais pequena ilha do arquipélago", realçou Luís Araújo.

A missão da Força Aérea nos Açores também registou mais de um milhar de ações de busca e salvamento e o transporte de cerca de 3000 doentes, tendo nascido mais de duas dezenas de crianças a bordo dos meios aéreos.

O novo avião C-295 é um bimotor turbo-hélice, que pode transportar 24 macas montadas para evacuação de feridos ou doentes ou transportar 9250 quilos de carga diversa, incluindo veículos ligeiros.

A sua primeira missão no arquipélago ocorreu a 23 de março, quando realizou a evacuação de um doente de Santa Maria para S. Miguel.

O aparelho tem maior capacidade de transporte e de autonomia de voo, o que lhe permite melhores condições para operar nos Açores, nomeadamente quanto à capacidade de transporte e de carga da Força Aérea, que tinha de recorrer ao C-130.

Este é o segundo ato no processo de renovação de meios operacionais da Força Aérea, depois dos helicópteros EH-101 Merlin terem substituído os Puma, que, entretanto, já regressaram aos Açores onde continuam a operar.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.