Associação quer preservar antigas feiras de burros


 

Lusa / AO online   Nacional   5 de Set de 2010, 18:11

Os tradicionais mercados de burros estão a cair em desuso na região trasmontana, mas uma organização local pretende revitalizá-los através de ações com criadores e comerciantes de gado.

A iniciativa partiu da Associação para Estudo e Protecção do Gado Asinino (AEPGA), que assim tenta recuperar os seculares mercados de burros na região do planalto mirandês.

Hoje, a secular feira do Naso, em Miranda do Douro, foi o palco escolhido para uma ação de divulgação das actividades tradicionais nos antigos certames.

Apesar do esforço, Miguel Nóvoa, membro da AEPGA e médico veterinário, está convencido que “este tipo de feira nunca mais será como antigamente”.

O dirigente associativo garante que “o principal objetivo destas iniciativas é perpetuar a memória coletiva das gentes da região trasmontana, já que estes mercados fazem parte da cultura popular e por isso é importante a presenças dos mais diversos atores ligados ao sector”, sintetizou.

A criadora de burros, Maria Celeste Martins, por ser lado, considera que, no passado, os mercados de gado como o da Senhora do Naso “eram muito importantes para a economia das famílias que trabalhavam na terra.”

A agricultora lamenta o facto das feiras tradicionais como a de Miranda não terem apoios do Governo ou das autarquias, pois considera necessário que “alguém olhe pelas nossas tradições”.

Durante o certame de hoje, em que estiveram meia centena de jumentos autóctones, foram eleitos os melhores exemplares do gado asinino da região, entre outras iniciativas que incluíram ainda a recriação de uma gincana de burros, prova de perícia animal que juntou algumas dezenas de participantes.

A prova chamou a atenção de gente de todas as idades, incluindo jovens, que tentaram demonstrar a sua perícia na condução de burros.

No próximo fim de semana, a AEPGA, promoverá uma ação idêntica na feira dos burros do Azinhoso, concelho de Mogadouro.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.