Associação da GNR exige que profissão seja considerada de risco

Associação da GNR exige que profissão seja considerada de risco

 

Lusa/AO Online   Nacional   28 de Ago de 2018, 15:37

A Associação dos Profissionais da GNR exigiu esta terça-feira que a profissão seja considerada de risco, depois de o combate a um incêndio em Mourão ter deixado cinco militares feridos, três dos quais em estado grave.

Considerando que não dar à GNR o estatuto de profissão de risco é “uma visão terceiro-mundista e desumanizada” das funções dos profissionais da Guarda Nacional Republicana, a associação lembra que “todas as valências da Guarda implicam risco de vida”.

Num comunicado divulgado, a APG pede “respeito pelos profissionais da GNR” e questiona a falta de classificação da profissão como sendo de risco.

“Quantas vidas mais é que se têm de perder para que o Governo aja, demonstre respeito pelos profissionais da GNR e considere a nossa profissão como sendo de risco?”, pergunta a associação, lembrando que essa classificação é “genericamente assumida em todos os países desenvolvidos”.

Um incêndio rural, numa área de pasto, deflagrou na segunda-feira à tarde, no Monte do Canhão, concelho de Mourão, mobilizando 74 operacionais, 25 viaturas e cinco meios aéreos.

Cinco elementos do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) da GNR sofreram queimaduras no combate às chamas.

Dos cinco feridos, com idades entre os 30 e 39 anos, três sofreram queimaduras consideradas graves, enquanto os outros dois foram assistidos no local e não necessitaram de mais cuidados.

O caso levou o ministro da Administração Interna a ordenar a abertura de um inquérito para apurar as circunstâncias.

“A APG/GNR apresenta a sua solidariedade a estes profissionais e respetivas famílias, disponibilizando, desde já, o necessário apoio dentro dos serviços que tem disponíveis”, adianta a associação, reiterando “a necessidade de que, com celeridade, a própria instituição preste todo o apoio aos guardas feridos e às suas famílias nos tratamentos e acompanhamento que sejam necessários”.

A associação pede ainda à GNR que se abstenha de sujeitar estes profissionais a “burocráticos processos para que provem que se tratou de um acidente em serviço”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.