Assinado contrato para primeiro Centro de Reabilitação Juvenil dos Açores

Assinado contrato para primeiro Centro de Reabilitação Juvenil dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   3 de Jun de 2019, 14:18

O primeiro Centro de Reabilitação Juvenil dos Açores abre em breve com capacidade para 30 utentes, entre os 14 e 24 anos, dos quais 20 em regime de comunidade terapêutica e 10 em regime de desabituação.

“Hoje foi dado um passo muito importante para a abertura e a concretização do funcionamento do Centro. Esse espaço tem capacidade para 30 utentes entre os 14 e 24 anos e depois da assinatura do contrato o que está previsto, e tendo em conta os licenciamentos que são necessários, é um prazo máximo de 80 dias para o início do funcionamento”, disse o secretário regional da Saúde.

Rui Luís falava após a assinatura do contrato de concessão e gestão do centro com o Instituto S. João de Deus – Casa de Saúde de S. Miguel que irá gerir, pelo prazo de três anos, e com um preço global do contrato de 1,5 milhões de euros, a estrutura de desabituação e reabilitação em regime de internamento.

O novo centro que ficará no designado Solar da Glória, no Livramento, é uma estrutura que irá permitir que, já a partir deste ano, os jovens com comportamentos aditivos e necessidade de internamento de média e longa duração, o possam fazer nos Açores, mais próximo dos seus contextos e das suas famílias”, sublinhou Rui Luís.

"Estamos a prever que atualmente os jovens que ainda estão em tratamento fora da região continuem para poderem terminar o seu processo e para aqui virão todos aqueles novos jovens que serão referenciados pelas instituições e avaliados pela direção regional de Prevenção e Combate às Dependências".

O novo Centro terá uma abordagem biopsicossocial, com intervenção cognitivo-comportamental, e será servido por uma equipa multidisciplinar.

“Desde o início da legislatura que decidimos priorizar e ampliar a abordagem e as respostas do âmbito dos comportamentos aditivos e dependências, numa perspetiva transversal, intersetorial e integrada, onde claramente cabe o tratamento em regime de internamento no arquipélago”, salientou ainda o governante.

Em declarações aos jornalistas, o titular pela pasta da Saúde nos Açores adiantou que, segundo dados de 2018, "foram acompanhados 1.471 utentes em programas livres de drogas, mediante cerca de 33 mil consultas, e 1.220 utentes em programas de substituição opiácea, seguidos em 42 mil consultas multidisciplinares, perfazendo os dois programas um total de 75 mil consultas".

De acordo com o secretário regional da Saúde, no ano passado verificou-se "uma diminuição de 13,4% de utentes em programas de substituição opiácea e um aumento de 25,5% de utentes em programas livres de drogas".

O diretor da Casa de Saúde de São Miguel, Paulo Braga, salientou que a abertura do centro juvenil "é muito importante" na medida em que permite "o tratamento na região, junto das famílias e inseridos na comunidade, na sua origem".

"A partir da data da assinatura do contrato há um período de 80 dias e está previsto que, dentro dos 80 dias, esteja tudo pronto para proceder à inauguração", assegurou também o responsável.

Paulo Braga explicou que o Centro vai ter "duas valências diferenciadas", uma "unidade de desabituação física com um período de 12 a 14 dias e ainda a vertente de reabilitação de comunidade terapêutica com 20 camas com internamentos entre três meses a um ano".

"A seleção dos jovens irá realizar-se numa consulta de triagem e todo o reencaminhamento será feito através da Direção Regional de Prevenção e Combate às Dependências assim como o pagamento", indicou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.