Artista Ricardo Jacinto leva experiência de som ao Arquipélago em São Miguel

Artista Ricardo Jacinto leva experiência de som ao Arquipélago em São Miguel

 

Lusa/AO Online   Cultura e Social   28 de Mar de 2019, 08:30

O artista sonoro Ricardo Jacinto apresenta na sexta-feira no Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, em São Miguel, um concerto-performance em que, através de um sistema de amplificação instalado dentro do violoncelo, vai “mergulhar dentro do instrumento”.

O músico apresenta este “solo para violoncelo e eletrónica” servindo-se “de um sistema de amplificação que procura auscultar microscopicamente as ressonâncias” e os seus gestos “neste instrumento acústico, em diferentes pontos do seu corpo”, explicou à agência Lusa.

“Esse sistema de amplificação, esse conjunto de pequenos microfones é, depois, transposto para o espaço onde está o público, espacializando, de algum modo, essa pequenina arquitetura do instrumento. É um sistema que, de algum modo, possibilita ao público, e a mim próprio, metaforicamente, mas também do ponto de vista percetivo, mergulhar dentro do instrumento”, prosseguiu o músico.

A São Miguel, traz uma apresentação “mais limitada no tempo”, porque, “normalmente, este concerto dá início a uma instalação”.

Neste caso, o processo foi, de certa forma, oposto, já que Ricardo Jacinto tem exposta, no âmbito do ciclo expositivo Geometria Sónica, uma instalação que trabalhou com o artista Pedro Tropa, em que também utiliza este sistema, “mas que, neste caso específico, tem uma estrutura de metal que tem lá um dispositivo de exposição de desenhos e fotografias”.

O espetáculo “Medusa” é “uma performance irmã de outra, que também está numa das salas do museu”.

O artista confessou que, apesar de serem “duas coisas independentes”, o que vai fazer durante a performance de sexta-feira e a instalação exibida no Arquipélago desde 26 de janeiro e até 21 de abril, é uma “espécie de continuação desse projeto ou uma apresentação paralela”.

Neste concerto, “a ideia é intervir, ao realizar este concerto-instalação, no subpalco”, adiantou Ricardo Jacinto, explicando que irá utilizar vários tipos de altifalantes, incluindo altifalantes de contacto, um objeto que confere “ao som alguma materialidade diferente do próprio instrumento e ocupa a arquitetura e o espaço onde ele é apresentado de uma maneira um pouco diferente”.

Ricardo Jacinto licenciou-se em arquitetura, pela Faculdade de Arquitetura de Lisboa, e estudou escultura no Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual.

Desde 1998, tem apresentando o seu trabalho em exposições individuais e coletivas e em concertos e performances em Portugal e na Europa.

Como violoncelista e artista sonoro, interessa-lhe a relação entre o som e o espaço.

As suas instalações estão representadas em coleções na Fundação de Serralves, Caixa Geral de Depósitos, Fundação Leal Rios e na Fundação António Cachola.

Tem trabalho editado pela Shhpuma Records, Clean Feed e Criativa Records.

A par do trabalho que desenvolve a solo, é, atualmente, membro do quarteto de cordas Beat the Odds (dirigido por Pascal Niggenkemper com Elisabeth Codoux e Felicie Bazelaire), do trio com Joana Gama e Luís Fernandes e do trio The Selva (com Gonçalo Almeida e Nuno Morão).

Faz parte do quarteto de Norberto Lobo com Marco Franco e Yaw Teme, do Ensemble Lisbon Freedom Unit (com Luís Lopes, Rodrigo Amado, Pedro Lopes, Gabriel Ferrandini, Bruno Parrinha, Hernâni Faustino e Rodrigo Pinheiro) e, com Nuno Torres, forma o duo CACTO.

É, também, investigador no Sonic Arts Research Centre, na Queens University, em Belfast, Irlanda do Norte.

Desce ao subpalco do Arquipélago, na sexta-feira, para um concerto que se insere no programa do ciclo performativo Geometria Sónica, com curadoria dos programadores festival Tremor, que este ano decorre em abril na ilha de São Miguel.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.