França

Apoios aos bancos rendem 2000 ME em juros ao Estado


 

Lusa / AO online   Economia   6 de Jan de 2010, 14:55

O Estado francês arrecadou dois mil milhões de euros em juros com os empréstimos realizados aos bancos, na sequência da crise financeira, anunciou o presidente francês, indicando que estes terão como destino medidas sociais e investimentos para o futuro.
"Prometi que o plano de salvamento da banca não custaria nada aos franceses", sublinhou Nicolas Sarkozy, num discurso em que realizou o balanço da sua acção em termos económicos durante o passado ano, e em que justificou a sua política com os resultados obtidos.

Sarkozy afirmou ainda que "todo o mundo o reconhece, a França resistiu melhor que os restantes" grandes parceiros europeus, admitindo, no entanto, que a recessão que o país sofreu não o satisfaz, sublinhando ainda que o crescimento regressou à economia francesa há seis meses e que o poder de compra continuou a aumentar em 2009 ao contrario do ocorrido no conjunto da zona euro.

O presidente francês reiterou ainda a sua posição contra "qualquer aumento de impostos", tendo em conta que França tem uma carga fiscal "das mais elevadas da Europa, sete pontos superior à da Alemanha", e que esse é o principal problema de competitividade do país.

"A solução para diminuir a despesa pública (que representa) metade da nossa riqueza nacional é diminua-la dez pontos percentuais (do PIB) abaixo da Alemanha", afirmou o presidente francês, que tem agendada para o final do mês uma conferência de imprensa para anunciar como vai combater o défice orçamental.

O Chefe de Estado insistiu em manter a regra de uma entrada por cada dois funcionários públicos que se reforma, que conduziu à redução em 100 mil do número de funcionários públicos na administração francesa, nos dois anos e meio que Sarkozy já cumpriu de mandato.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.