Ano Europeu contra a pobreza arranca hoje


 

Lusa/AO On line   Nacional   6 de Fev de 2010, 06:54

O Ano Europeu Contra a Pobreza e Exclusão Social arranca hoje oficialmente em Portugal, onde deverão surgir novos apoios a famílias, desempregados e deficientes.
 

Entre as novas medidas que o Governo pretende criar este ano contam-se um novo "apoio pecuniário" para que as famílias trabalhadoras com filhos não vivam abaixo do limiar da pobreza, o alargamento da "formação inclusiva" para beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) para atingir o objetivo de "100 mil pessoas", incentivos à contratação de desempregados de longa duração, beneficiários do RSI ou pensões de invalidez, ex-reclusos e ex-toxicodependentes.

A ministra do Trabalho e Solidariedade Social, Helena André, assegura que todas terão "cabimento orçamental" e admite que, embora não seja possível "erradicar a pobreza" em um ano, pelo menos no fim de 2010 deverá haver uma "maior visibilidade e maior consciência" sobre o problema.

"A pobreza não faz uma sociedade coesa, é preciso empenho em ações concretas" para a combater, defende a governante.

Fora dos gabinetes, o Ano Europeu irá ser divulgado com brochuras, cartazes, anúncios televisivos, perfis nas "redes sociais", concertos e provas desportivas.

Estão também designados "embaixadores" do Ano Europeu elementos do mundo do espetáculo, como o cantor Boss AC, o ator Miguel Guilherme, a escritora Lídia Jorge ou a cantora Tereza Salgueiro.

Cada mês centrar-se-á num setor específico da população mais afetado pela pobreza.

Do "Manifesto" que será divulgado contam-se os "princípios orientadores" do Ano Europeu: o reconhecimento de que os pobres e excluídos têm direito a participar na sociedade, a "responsabilidade partilhada" por todos, a "coesão social" e o "empenho em ações concretas".

A cerimónia de abertura decorre hoje à noite na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, com uma intervenção (em vídeo) do Presidente da República, Cavaco Silva, e da ministra do Trabalho, Helena André, e a atuação das orquestras Geração e Gulbenkian.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.