Sociedade

Alternativa à atual situação passa pela restauração da "Instituição Real"

Alternativa à atual situação passa pela restauração da "Instituição Real"

 

Lusa/AO online   Nacional   5 de Out de 2012, 19:08

O Duque de Bragança, Duarte Pio, afirmou hoje que há

“Existe uma alternativa muito clara à atual situação a que chegou este regime, alternativa que passa por devolver a Portugal a sua Instituição Real e que, se não resolve por si só todos os nossos problemas atuais, será certamente, como o provam os vários países europeus que a souberam preservar, um grande fator de união popular, de estabilidade política e de esperança coletiva. Numa palavra, de desenvolvimento”, afirmou. Duarte de Bragança, "descendente e representante dos reis de Portugal", falava em Lisboa, no Palácio da Independência, numa “mensagem aos portugueses” no dia do 869.º aniversário da fundação de Portugal, a 05 de outubro de 1143, data em que Afonso VII de Leão reconheceu a existência de um novo Estado, Portugal. Nesta mensagem perante uma assembleia de muitas dezenas de pessoas que o receberam com gritos de “viva o rei”, o Duque de Bragança fez um diagnóstico da situação “difícil” do país, referindo a “terrível crise económica” e que o país está hoje “esmagado pelo endividamento externo, pelo défice das contas públicas e pela decorrente e necessária austeridade”. Este é o resultado, afirmou, do atual regime, que em “pouco mais de 100 anos”, deixou chegar o país a esta situação que implica “perda de soberania” e o “descrédito internacional” de “uma das mais antigas nações europeias”. “Recordo que o Estado é sobretudo suportado pelo fruto do esforço, do trabalho dos portugueses”, afirmou, acrescentando que “todos eles são merecedores do respeito por parte de quem gere” os impostos e lembrando que “muitos são os que hoje só sobrevivem graças à imensa solidariedade” de que o “povo ainda é capaz”. Duarte Pio defendeu que Portugal precisa hoje de um “novo projeto nacional”, tal como aconteceu há quase nove séculos, quando nasceu como “nação livre e independente, fruto da vontade e sacrifício de um povo unido à volta do seu rei”. “Então, como agora, foi fundamental a existência de um projeto nacional, uma causa comum e desejada que a todos envolveu (…). Um projeto que tinha acima de tudo um rei e os portugueses, unidos por um vínculo indestrutível, constantemente renovado e vencedor, um vínculo de compromisso que nos ajudou a ultrapassar crises avassaladoras no passado e que se prolongou pelos séculos seguintes até ser interrompido apenas em 1910”, sublinhou. Considerando que o “desafio” atual é “refundar um projeto nacional capaz de unir todos os portugueses”, o duque de Bragança sublinhou que ninguém melhor do que um rei o poderá liderar e assumir. “O rei interpreta o sentir da Nação, e age apenas pelo superior interesse do país. E nenhum outro interesse deve também mover os atores políticos. Portugal precisa de autoridade moral, de união em torno de um ideal. Portugal precisa de um projeto que seja o cimento em torno da Nação: a política e, acima dela, a coroa, deve procurar sempre servir esse ideal, e nunca servir-se dele em benefício próprio”, afirmou. Para Duarte Pio, “unidos e solidários num renovado projeto nacional”, os portugueses estarão “dispostos aos necessários e equitativos sacrifícios que a presente hora impõe”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.