Violência

Agressões domésticas têm aumentado e métodos são cada vez mais violentos

Agressões domésticas têm aumentado e métodos são cada vez mais violentos

 

Lusa/AO Online   Nacional   5 de Set de 2012, 09:58

O número de casos de violência doméstica aumenta no verão devido ao maior convivência entre casais, defende o diretor executivo da Associação de Apoio à Vítima, que sublinha a agressividade crescente e a contribuição da crise para os atritos.

 

"Há convicção de quem está no terreno que no verão, a partir do momento em que há maior convivência, acaba por acontecer a violência", afirmou à Lusa João Lázaro.

A subida dos números no verão pode explicar-se "por haver mais tempo do agressor e da vítima em casa e daí haver mais violência", avança o responsável da APAV, adiantando que a crise também contribui para o problema.

Ainda que não exista uma relação causa-efeito, a crise financeira também pode levar a violência, referiu João Lázaro, lembrando que "a pressão económica e a falta de trabalho são situações que podem proporcionar mais um fator que leva à agressão e aos atritos".

Um relatório realizado pelo Observatório das Mulheres Assassinadas e hoje citado pelo DN indica que, só no primeiro semestre deste ano, foram mortas 20 mulheres em contexto conjugal.

Ouvida pelo jornal, a psicóloga Cecília Loureiro, colaboradora da União de Mulheres Alternativa e Resposta referiu que "20 casos no primeiro semestre deste ano é muito se considerarmos que em todo o ano de 2011 houve 27 mulheres assassinadas, segundo o Observatório".

O diretor executivo da APAV admite que a subida "é preocupante", mas sublinha um outro fenómeno: o aumento da violência dos crimes.

"Os crimes estão a tornar-se mais violentos, as metodologias estão mais violentas e isso reflete-se na área da violência doméstica", disse.

"Assim como a criminalidade violenta de assaltos utiliza novos meios e metodologias, atualmente vê-se um grau maior de sofisticação - se assim se pode dizer - nos meios utilizados" na violência doméstica, explicou João Lázaro.

Aumento da violência que pode passar pelas armas usadas - "seja armas brancas quer de toalhas molhadas retorcidas" - mas também pelos métodos de agressão.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.