Selecção nacional

Advogado de Scolari confia nas imagens televisivas para diminuir castigo


 

Lusa/AO   Futebol   1 de Out de 2007, 08:18

O advogado italiano Gianpaolo Monteneri, contratado para defender o seleccionador de Portugal junto da União Europeia de Futebol (UEFA), acredita que Scolari verá o seu castigo reduzido após a audiência de quinta-feira, na sede do organismo, em Nyon.
Em declarações à Agência Lusa, o jurista, estabelecido na Suíça e que liderou da Comissão para o Estatuto do Jogador da Federação Internacional de Futebol (FIFA) durante oito anos, revelou que a defesa do treinador brasileiro vai basear-se, "principalmente", em imagens televisivas.

    "As imagens são os nossos argumentos. Claramente, Scolari foi agredido verbal e depois fisicamente, com uma palmada na mão, pelo jogador Dragutinovic. O objectivo é reduzir a pena tanto quanto possível, pois consideramos ser demasiado dura por uma situação que foi provocada pelo internacional sérvio", defendeu Monteneri.

    Scolari, que se envolveu com o atleta sérvio há três semanas, no final do encontro do Grupo A de qualificação para o Euro2008 (1-1), no Estádio José Alvalade, negou qualquer agressão no próprio dia, mas pediu desculpa publicamente pelo acto irreflectido no dia seguinte, argumentando que quis proteger internacional luso Quaresma, tendo sido vítima de provocações e agressões por parte de Dragutinovic.

    Há duas semanas, a Comissão de Controlo e Disciplina da UEFA puniu Scolari com quatro jogos de suspensão e uma multa de 12.000 euros, enquanto Dragutinovic foi castigado com dois jogos da sua selecção fora dos relvados, uma diferença considerada "pesada" pelo técnico campeão do Mundo pelo Brasil em 2002 e pela direcção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que decidiu apoiar formalmente o recurso.

    "Teoricamente, é possível que o castigo seja aumentado, mas, sinceramente, não acredito porque o Sr. Scolari foi provocado e agredido primeiro, facto que causou a sua reacção", continuou Monteneri, acrescentando que "todas as circunstâncias apontam para uma atenuação do castigo".

    O espcialista transalpino é fundador e director-executivo da Monteneri Sports and Law Management, empresa que se dedica à consultoria sobre contractos desportivos, resolução de conflitos legais e ao marketing na área do desporto.

    Além do seu depoimento perante a Comissão de Recursos da UEFA, agendado para quinta-feira, entre as 10:30 e as 14:00 de Lisboa, Scolari, também acompanhado pelo jurista da FPF Paulo Lourenço, vai apresentar como atenuante o seu "cadastro" de cerca de 20 anos de carreira de treinador com uma só expulsão.

    Na Copa América de 2001, na Colômbia, Scolari e o adjunto Flávio Teixeira, que o substituirá nos encontros de Portugal em que o "Sargentão" estiver suspenso, foram expulsos no derradeiro encontro da fase de grupos, frente ao Paraguai, e ficaram de fora na partida dos quartos-de-final, diante da selecção das Honduras.

    Apesar de Teixeira, conhecido como "Murtosa", ter ludibriado os delegados ao jogo, conseguindo assistir à partida no banco de suplentes, o Brasil perdeu por 2-0 e foi eliminado daquela competição continental.

    "A UEFA puniu-o (a Scolari) com quatro jogos porque considerou que houve agressão, 'via de facto', mas esperamos o melhor e penso que existem boas condições para o castigo ser reduzido. Se for diminuído para metade, já considero que é um bom trabalho, mas prognósticos nestas coisas...", disse o jurista Paulo Lourenço à Agência Lusa.

    Além dos causídicos Monteneri e Lourenço, Scolari vai ter em Nyon a companhia de Fernando Brassard, treinador de guarda-redes da equipa das quinas, como testemunha abonatória, e do assessor de imprensa da FPF Onofre Costa, esperando-se uma decisão final da Comissão de Recursos por volta das 16:00 de Lisboa.

    Em causa estão os derradeiros quatro jogos de qualificação para o torneio da Áustria e da Suíça em 2008: visitas de Portugal ao Azerbaijão (13 Out) e ao Cazaquistão (17 Out) e as recepções à Arménia (17 de Nov) e à Finlândia (21 de Nov).

    Portugal ocupa a terceira posição do agrupamento, a quatro e a dois pontos de Polónia e Finlândia, respectivamente, embora com menos um jogo disputado do que aquelas selecções.

    No dia seguinte à audiência em Nyon e já sabendo do seu desfecho, o treinador brasileiro de 58 anos divulga a lista de convocados para a dupla jornada do Azerbaijão e do Cazaquistão, pelas 11:00, na sede da FPF, em Lisboa.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.