Adolescente palestiniano morto por disparos israelitas nos protestos de Gaza

Adolescente palestiniano morto por disparos israelitas nos protestos de Gaza

 

AO Online/ Lusa   Internacional   8 de Set de 2018, 08:46

Um adolescente palestiniano de 17 anos foi esta sexta feira morto após ser atingido no peito por disparos de soldados israelitas durante os protestos que se têm repetido todas as sextas-feiras em Gaza, junto à fronteira com Israel, informaram fontes médicas.

O Ministério da Saúde palestiniano identificou a vítima como Bilal Jafaja e referiu-se ainda a 94 feridos na manifestação de hoje, dos quais 30 atingidos a tiro.

Um porta-voz militar israelita justificou mais esta resposta armada pelo facto de os manifestantes “queimarem pneus e lançarem pedras em direção aos soldados e à vala de segurança”.

O mesmo responsável disse que as tropas colocadas na linha divisória continuam a atuar “de acordo com os procedimentos operativos normais”.

Milhares de habitantes da Faixa de Gaza regressaram hoje à zona fronteiriça com Israel para participar nas manifestações que decorrem todas as sextas-feiras desde que foi iniciada em março a campanha de protesto Grande Marcha do Regresso, que reivindica o fim do bloqueio israelita e o direito ao regresso dos refugiados.

Desde março já foram mortos 162 palestinianos por disparos israelitas nas manifestações ou em incidentes violentos na fronteira, e cerca de 12 habitantes em bombardeamentos israelitas sobre posições do Hamas, a formação islamita que dirige este enclave com dois milhões de pessoas.

Desde Gaza também se tem repetido o lançamento de foguetes e balões incendiários que provocaram numerosos incêndios em terrenos de cultivo e prejuízos económicos.

Israel argumenta que o movimento islâmico Hamas utiliza as mobilizações para danificar a vala divisória, infiltrar-se no seu território e cometer ataques.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.