600 novos guardas da GNR iniciam formação

600 novos guardas da GNR iniciam formação

 

Lusa/AO online   Nacional   26 de Fev de 2018, 09:00

A GNR inicia esta segunda-feira a formação a 600 novos guardas, incorporação motivada pela inclusão de militares para o Grupo de Intervenção, Proteção e Socorro (GIPS) e Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Os 600 novos guardas vão iniciar o curso, com a duração de cerca de 1.400 horas, em Portalegre e, após terminarem a formação, vão reforçar o dispositivo da GNR e completar os lugares deixados vagos pelos militares que, entretanto, vão integrar os GIPS e o SEPNA, disse à agência Lusa o porta-voz da corporação, major Bruno Marques.

Segundo o gabinete do Ministério da Administração Interna, o primeiro-ministro, António Costa, e o titular da pasta, Eduardo Cabrita, vão estar hoje em Portalegre a acompanhar o primeiro dia da formação dos novos efetivos.

O porta-voz da Guarda Nacional Republicana adiantou que “não se trata da incorporação de 2018”, sendo a entrada destes 600 novos elementos “extraordinária” e “motivada pelo reforço nos GIPS e SEPNA”, no âmbito da prevenção e combate aos incêndios florestais.

Sobre a forma como vão ser selecionados os 500 militares para os GIPS e 100 para o SEPNA, Bruno Marques explicou que foi feito um convite interno a todos os militares da corporação.

Caso não exista candidatos suficientes entre o efetivo, a GNR vai alargar o convite aos 350 guardas provisórios que estão em formação na Figueira da Foz e que iniciaram o curso em novembro de 2017.

O porta-voz desta força de segurança referiu igualmente que os cursos para os GIPS vão realizar-se em março para os graduados, comandantes, oficiais e sargentos, e em abril para os guardas.

Para o curso no SEPNA ainda não está fechada a data de formação.

Bruno Marques disse ainda que o objetivo é que os cursos para estas duas unidades da GNR estejam concluídos antes de se iniciar o dispositivo de combate a incêndios florestais.

Na semana passada, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou que, com este reforço de 500 elementos, os GIPS vão passar a intervir em todo o país.

Atualmente os GIPS estão presentes em onze distritos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.