Vivemos num tempo em que o espectáculo comanda a vida, a desconfiança pelas instituições passou a ser um ditame e a realidade parece suplantar a ficção.Do público ao privado, a nossa acção quotidiana é determinada pela necessidade de partilhar o simulacro de uma existência sofismada.A polissemia das palavras e das representações...