Vitória de Marcelo é "abrangente e concludente"

 Vitória de Marcelo é "abrangente e concludente"

 

Lusa/AO online   Nacional   24 de Jan de 2016, 20:29

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, considerou que a vitória de Marcelo Rebelo de Sousa nas eleições presidenciais é "abrangente e concludente" e que este será um "interlocutor fundamental" para tratar de assuntos deste arquipélago.

 

“O candidato apoiado pelo PSD/Madeira ganhou na região com maioria absoluta. Venceu em todas as freguesias e em todos os concelhos da região e a sua vitória é abrangente e concludente”, disse o líder madeirense.

Segundo Miguel Albuquerque, Marcelo Rebelo de Sousa “servirá os interesses da Madeira e da autonomia”.

Salientando que o chefe de Estado hoje eleito “é um homem que conhece profundamente a realidade social, económica e política da Região”, bem como conhecedor das “problemáticas das autonomias”, o governante insular sublinhou que Marcelo Rebelo de Sousa “será um interlocutor fundamental para a Região tratar de alguns dos assuntos fundamentais para o seu futuro”, como a revisão do Estatuto Político Administrativo e a próxima revisão constitucional.

Miguel Albuquerque declarou que a Madeira “vai manter, com certeza, com o futuro Presidente [da República] boas relações institucionais”, complementando que é “do interesse da região” que isso aconteça.

“Porque o Presidente, sendo eleito por sufrágio direto, por todos os portugueses, tem um papel decisivo no nosso sistema político”, opinou, considerando que o chefe de Estado “é árbitro, é moderador e salvaguarda dos interesses nacionais”.

Por isso, acrescentou, “estando a Região inserida no contexto nacional, é óbvio que o Presidente, no exercício das suas funções institucionais, deve ser o principal e primeiro defensor dos interesses da Madeira e das autonomias”.

Miguel Albuquerque admitiu, ainda, que a abstenção na Madeira “é mais elevada” do que em várias regiões do país, mas desdramatizou a situação, referindo que é preciso “levar em linha de conta” circunstâncias regionais como a emigração, pois muitas pessoas estão recenseadas neste território e estão ausentes na maior parte do ano.

“Sou contra o voto obrigatório e entendo que o direito de se abster também é um direito democrático”, realçou o líder insular, defendendo que para melhorar os índices de participação dos cidadãos é necessário apostar no “melhoramento do funcionamento do sistema politico”, para credibilizar as instituições.

Na opinião de Miguel Albuquerque, “esse trabalho tem de ser feito”, porque se tal não acontecer existe “ perigo de ver surgir, como já está a surgir em diversos países da Europa, movimentos extremistas e populistas com o discurso antipolítica e anti-partidos”.

O responsável madeirense ainda considerou que a realização de sucessivos atos eleitorais provocam o “desgaste” e o calendário “teve influência na abstenção”, mencionando que campanha eleitoral foi “atípica”.

Na Região Autónoma da Madeira, Marcelo Rebelo de Sousa reuniu 51,4% dos votos. Edgar Silva, o candidato madeirense apoiado pelo PCP, foi o segundo mais votado, com 19,7%, Sampaio da Nóvoa obteve 11,3%, Marisa Matias 10,1% e Maria de Belém 2,8%.

A abstenção situou-se nos 54,5% no arquipélago madeirense.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.