Victor Castro lança livro e novo álbum para "perpetuar" a música açoriana (vídeo)

Carregando o video...

 

Miguel Bettencourt Mota   Cultura e Social   28 de Fev de 2018, 20:30

Com o apoio de uma campanha crowdfunding que ainda decorre na internet, o compositor açoriano Victor Castro prepara-se para lançar o álbum Açor, o terceiro da sua autoria, e que vai, não só apresentar peças inéditas escritas para guitarra, como alguns dos temas mais marcantes do cancioneiro açoriano.

"Houve uma preocupação em selecionar algumas das canções mais emblemáticas da 'nova música' açoriana – daquela produção musical que surgiu nos anos 80 – e também irão constar do álbum composições originalmente escritas para guitarra, que são minhas, do professor Carlos Baptista Ávila e de Antero Ávila", adiantou Victor Castro, em declarações a este jornal.

Chamateia e Boi do Mar (de Luís Alberto Bettencourt), Maré e Natividade e Dança (de Aníbal Raposo), Dreams, Tema de Amor e Searching (de Luís Gil Bettencourt) e a Cantiga da Terra (de Zeca Medeiros) são algumas das músicas que integram o Açor, que, por entre as suas 17 faixas, dá ainda espaço a dois arranjos de músicas do folclore açoriano.

Pelas cordas da sua guitarra clássica, o músico nascido em Angra do Heroísmo, esforça-se por não deixar cair no esquecimento esses e outros temas icónicos da música regional, que fizeram também parte do panorama musical português na época em que foram lançados.

Como explicou, o álbum procura ser mais uma forma de "divulgar e perpetuar" as respetivas músicas e os seus compositores, uma intenção, entretanto, reforçada pelo lançamento de um livro de partituras que fixa todo esse repertório adaptado e escrito para guitarra.

"Nesse sentido trata-se de um trabalho pioneiro, uma vez que não havia nada escrito para guitarra-solo", deu conta o arranjador, acrescentando que a intenção agora é a de fazer chegar ao livro "às nossas escolas de música, aos cursos de guitarra dos nossos Conservatórios" para que o seu conteúdo seja incluído nas respetivas unidades curriculares.

No que toca exclusivamente ao Açor, e uma vez que as entidades públicas não gozam de "grande disponibilidade financeira para apoiar este tipo de projeto", Victor Castro decidiu avançar para uma edição de autor, assumindo a grande parte dos custos inerentes, mas recorrendo também a uma campanha crowdfunding.

Até ao momento, a adesão à campanha de angariação de fundos tem sido grande e quem quiser apoiar a gravação e edição do CD pode fazê-lo, até ao dia 26 de março, acedendo a esta página online.

O álbum, refira-se, conta com o design gráfico de Claus Alves da Silveira, com a fotografia de Jorge Monjardino e foi gravado por Zé Manuel Fernandes.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.